Tag: fossa Page 1 of 2

Perdas e danos

~me disseram que você estava chorando~

claro que estava

feliz

olhos brilhantes

quase ~vi~

mas ~me disseram~

e por isso eu chorei

e morri

mais uma vez

no processo de destruir o meu ideal de nós dois

perdi o seu ideal de nós dois

perdi

 

Mixed feelings

Achava que seria como um luto, em fases, dolorosas porém longas. Mas não. Parece mais uma montanha russa a coisa toda. Ceticismo, mágoa, autopiedade, derrota, inveja, solidão, desdém, arrependimentos, saudade, medo, impaciência, cansaço. A verdade é que nem montanha russa é. Tá mais pra trem fantasma. O horror! O horror. Não é pra tanto, a gente sabe. Mas tá tudo aí, junto e misturado. Difícil dizer o que predomina. Cansaço talvez. Ou egoísmo. Uma bosta de uma forma ou de outra. Who cares. É o que temos pra hoje.

Sinal fechado

Acorda com o gosto do sal do fim de semana. Levanta na obrigação. Engole o choro. Engasga com a lembrança da derrota. Deságua junto com o chuveiro. Descarrega o corretivo sob os olhos. Disfarça na roupa caprichada pros olhos do mundo. Mareja no táxi. Respira, suspira, bufa. Engole mais choro. Trabalha na merda. Acaba o dia. Lê o que não teve coragem. Desaba. Soluça. Respira. Encara Paulinho, mesmo sabendo que o samba pode aumentar o descompasso dos hojes. Lembra do espinho e da flor. Derrapa no sinal fechado. Se percebe na cena, a própria, mas num futuro embaçado. E o presente fica embaçado também. Mas nem. São só seus olhos.

Sinais

Você deve ser uma pessoa muito errada se a plena felicidade de alguém te faz infeliz. Pior, te deixa em um estágio miserável de tristeza. Você pede que te deixem ir e depois os odeia por terem deixado. Pior, você se odeia por odiar. Você quer gritar por socorro mas não quer que ninguém escute – mentira, você quer que uma pessoa apenas escute e faça alguma coisa, mas você sabe que é impossível – por que é embaraçoso. Você é do tipo de pessoa que escuta, nunca que fala e não há mal nenhum em falar ou mesmo gritar de vez em quando. Mas você não consegue. E quer que adivinhem. Não dá. Não dá. Acorda pra vida: não dá pra ser assim, gata.

Os sinais estavam espalhados por aí. A vida, essa irônica, que estava sempre decidindo por vocês. Você já não fazia parte da vida dele. Sem culpa daqui ou dali, mas o fato é os olhos não brilhavam mais, os códigos sumiam aos poucos, as músicas não tocavam mais e, por mais que você procurasse, não havia mais entrelinhas. Cada vez menos até não haver mais… Fim.

E é isso. Eu sei que hoje a sua vontade é chorar até sumir. Mais uma dor absurda. Mais uma pessoa que vive sem você. Mais uma morte mesmo. Mais um fundo do poço e mais um longo caminho sabe lá para onde, mas que precisa ser percorrido. Mas é só isso. A vida é cíclica. Você já passou por isso antes. Mas também sei que passa. Você sabe que passa. Justamente porque já passou em outras tantas vezes. E porque você já passou por isso outras tantas vezes. É isso.

Chore. E durma. Você precisa dormir.

Top Down Songs

Dia desses me chateei. Muito. E quando fico assim, deveras e tão chateada a ponto de registrar publicamente o estado de chateação, eu entro em fossa feroz mesmo, como quem toma um toco. Choro, me tranco em casa, dificilmente atendo o telefone e recorro ao kit de emergência: uma prateleira de DVDs com os filmes mais propícios para meus dias de choradeira (Clube da Luta, Snach, Cães de Aluguel, O Poderoso Chefão e Kill BIll). 

Mas parece que admitir a ostrice não é suficiente. O cosmos compreende tal estado de espírito e fica na espreita. Se eu dou mole, já vem o universo dando recadinhos na forma de música e tratando de me manter com o coração apertado. Seja no rádio do vizinho, na trilha sonora da novela, no blip de um conhecido via twitter ou até passando na frente da Casas Bahia. Saco isso!

Eu já intencionava fazer isso há um tempão: listar tais músicas e compartilhar com o mundo o meu “Top Down Songs”. Então, aproveitando que a borocoxice tá passando, seguem as músicas que o mundo sempre toca pra mim quando não me é dignamente possível simplesmente curtí-las, independente do motivo que originou o momento deprê (não necessariamente em ordem e sem preconceito de estilo, ok?). Já vou logo avisando: “chove lá fora e aqui / faz tanto frio”, pra mim, é fichinha perto do que você está prestes a ler.


Wish You Were Here – Pink Floyd 

A mais cliché de todas obviamente estaria na minha lista porque, afinal, sou uma pessoa óbvia e previsível. Não tem o que explicar. E sim, eu sei que a música não foi composta pra ser romântica. E daí?

“We’re just two lost souls
Swimming in a fish bowl,
Year after year,
Running over the same old ground.
What have we found?
The same old fears
Wish you were here”


All By Myself – Celine Dion 

Ok, talvez Wish You Were Here não seja tão cliché quanto eu pensava se comparado a All by myself. Ouvir essa música em condições normais de temperatura e pressão seria até para chorar de rir tamanha… sei lá, breguice? Mas se você estiver um cadinho fragilizada, aí ferrou. Imagina a pessoa ligando pra todo mundo e ninguém em casa? Triste, minha gente. Muito triste. Dica: é pra cantar junto, aos berros, usando uma garrafa de vodka como microfone e com a maquiagem borrada. Libertador.

“Livin’alone
I think of all the friends I’ve known
When I dial the telephone
Nobody’s home”


Against All Odds (Take A Look At Me Now) – Phil Collins

A fiel tradução da crueldade e insensibilidade do outro para com você. Olha para trás, seu miserável! Estou aqui chorando, jogada no chão, me humilhando e você ainda tem coragem de ir embora? Ah! Como dói doído. É pra ouvir tomando porre de qualquer coisa que esteja acessível no bar de casa. Mas tenho ouvir com o Phill. Se for com a Mariah tenho vontade de cortar os pulsos, não pela letra, mas pelo que ela fez com a música.

“I wish I could just make you turn around
Turn around to see me cry
There’s so much I need to say to you
So many reasons why
You’re the only one who really knew me at all”


Night Must Fall – Hoodoo Gurus

Essa é terrível porque ela te pega desprevinido. Você ouviu uma vez e se ligou só no no refrãozinho “is it that time / is it that time”. Na segunda vez você lembra “ah, é aquela música de surfista e tal”, mas aí, mais atento, percebe que ela mete um “never thought we’d ever end / I can’t afford to lose more friends.” na lata. Nessa hora o estômago embrulha e se engole em seco e se lembra no nome da música. Ferrou…

“I’m just trying to catch my breath.
A heart that beats itself to death,
Panic stricken by the thought
You’re not here for my support.
(But its that time)
Is it that time?
A curtain has to fall.
(Yes, it’s that time)
Is it that time?
The writing’s on the wall.”


Last Kiss – Pearl Jam

Se Night Must Fall engana a alguns, Last Kiss nem se fala. É cilada, Bino!!! O ritmo é bonitinho, parece trilha de filme dos anos 50, mas gente!, a música é uma tristeza só. A pessoa acha a mulher da vida dele e ela morre nos seus braços após um acidente de carro?!?! Ô dó! E eu choro muito. Instantaneamente. 

“I lifted her head, she looked at me and said;
“Hold me darling just a little while.”
I held her close I kissed her – our last kiss,
I found the love that I knew I had missed.
Well now she’s gone even though I hold her tight,
I lost my love, my life that night.”


Acrilic on Canvas – Legião Urbana

É saudade, é culpa, é raiva e é pedido de desculpas. É tudo misturado. E é aquela velha história de cada um acreditando na verdade que lhe convém. Ou fingindo que acredita. 

“Mas então, por que eu finjo
Que acredito no que invento?
Nada disso aconteceu assim
Não foi desse jeito
Ninguém sofreu
É só você que me provoca essa saudade vazia
Tentando pintar essas flores com o nome
De “amor-perfeito”
E “não-te-esqueças-de-mim”


Love Will Tear Us Apart – Joy Division

Joga na sua cara que você é um merda. Cometeu o pecado mortal de acomodar-se e pôs tudo a perder. Sem mais.

“You cry out in your sleep
All my failings exposed
And there’s taste in my mouth
As desperation takes hold
Just that something so good
Just can’t function no more”


You Oughta Know – Alanis Morissette

É o tapa na cara que você queria ter dado mas não teve coragem. Tudo o que queria vomitar sobre quem te arrasou, mas você engole. E você se divide em achar que tem toda a razão do mundo ou é só recalcado por ter sido trocado por outro. E perde o sono.

“’Cause the joke that you laid in the bed
That was me, and I’m not going to fade as soon
As you close your eyes, and you know it
And everytime I scratch my nails
Down someone else’s back, I hope you feel it
Well, can you feel it?”


Tem dúzias de músicas para se amargurar em períodos de baixo astral e autopiedade. Daria pra citar mais um monte: Se Puder Sem Medo (Oswaldo Montenegro), Everybody Hurts (R.E.M), Trocando em Miúdos (Chico Buarque), Nothing Compares to You (Snead O’Connor), Mentiras (Adriana Calcanhoto), Kaylegh (Marilion), Don’t Speak (No Doubt), So Sad About Us (The Who), e por aí vai. Mas as que estão destacadas são aquelas que sempre tocam quando meu coração está um bocadinho mais apertado.

É batata.

Dorme com um barulho desses…

O tal fio de cabelo

Aí você se pega no meio dos versos de uma música super brega, que fala da dor imensa que o sujeito sente ao se deparar com um fio de cabelo num paletó que ele não devia lavar há meses. Sua breguice pode ser até mais suave mas, sim, ela está lá. No seu caso o tal fio de cabelo é uma foto, um email, um tweet, ou a falta disso tudo. O pior fio de cabelo de todos porque você pensa que se livrou dele e, quando menos espera, lá está ele lhe falando ná-na-nâ-ná. E você se toca do quanto você é covarde por não ter tentado mais quando podia. Ou patético por se exposto tanto correndo atrás quando já não devia. Ou só burro mesmo porque não é possível ainda sentir essa ausência onipresente. Essa saudade doída. Que sai do coração para apertar o peito e ser sentida na nuca. Dói. Como dói.

É, tá vazio.

Muda tudo de novo, mas dessa vez com medo e sensação de derrota. Nem cabe a palavra da moda, desapegar-se, pois pouco tenho ainda ao que me apegar. É desfazer. É sensação de desperdício. É desfazer-se. E evito parar pra pensar. Tudo piora quando penso. Venho e vejo o blog vazio. E constato que ele está assim porque a vida segue um tanto vazia. O coração também. Mantenho o nariz empinado dizendo que não preciso de mais do coração. Nele já tem a família, já tem os amigos-irmãos-queridos-de-todas-as-horas, já tem os outros amigos, já tem o futebol, a música, os livros e o cinema. Mas é balela. Falta a falta de fôlego. Isso eu não posso me dar.

Antigamente vinha aqui confessar, palpitar, compartilhar. Agora fica tudo subentendido nas entrelinhas ou telinhas do twitter e do facebook. A maioria acredita nessa fanfarronice. Mérito meu, que disfarço bem o vazio, ou desatenção delas. Não importa. Algumas poucas pessoas percebem o descabido. Mandam afagos em forma de palavras, beijos, carícias, versos ou prosa que revisito a todo momento e tento me reconhecer no que eles enxergam de mim. Me sinto idiota. Dramaqueen. Penso no tanque de roupa que não tenho pra lavar e concluo que esse é o problema. E fim da análise.

Shut me up.

Ostrice

Ela já viu esses sintomas. Nenhuma, ou quase nenhuma, vontade de atender o telefone. Ostrice profunda. Muda os móveis de lugar como se isso mudasse a sua vida sem graça. Não quer sol, não quer rua. Preguiça de tudo. De mundo. Daquela absurda, que não deixa nem trocar o canal da TV.
Não é que ela se arrependa, mas ela sabe que poderia ter feito diferente. Daqui a pouco vai ouvir um comentário inadequado e foge. Ela sempre foge. Muda de mundo mais uma vez. Muita gente boa ficou pra trás porque ela precisou se esconder, se fechar e só perdeu. Perdeu um pouco de si nos outros que sumiram no tempo.
Uma hora ela cresce. Será?

Certo ou errado

Dia desses tava tudo errado. Deliciosamente errado. Quando vi, tinha ganhado novo pensar vagante. Daqueles que já tive e perdi várias vezes. Mas, principalmente, daqueles que eu adorava não fazer questão porque tava ocupada desocupando a mente, apinhando os dias e frequentando as camas. E foi fácil me deixar errar assim. A cada sábado e domingo. Foi indo, foi indo, foi vindo. A estrada nem cansava, porque tinha o cansar arfante que eu queria durante a breve estadia. Tinha muita risada e ranzinzice. E tinha a porcaria do bolinho de chuva que nunca comi. E aí eu errei. Acho que porque eu nem sei errar direito. Perguntei se tava errada. Não, beibe. Mas a resposta mesmo, certa ou errada, não sei até agora. O certo é que o acerto vai se acertando, se ajeitando. E certos e errados voltam a se ajeitar nas minhas coxas erradamente grossas porque esse é o meu certo. Mas, no fundo, pra mim – ainda – tá tudo errado.

Enxaqueca

A cabeça dói. Não tem remédio que dê jeito. Vontade de quebrá-la contra a parede. Se lembra da infância, quando alguém brincou que o melhor remédio para dores de cabeça era um bom pisão no pé. Ela – que ri de tudo – não consegue sequer rir da lembrança da tolice. Ele a havia tirado da zona de conforto. Na verdade lhe fez esquecer todas as suas defesas. E a quebrou no meio como um graveto velho. Noite após noite ela se recusava a admitir toda essa dor. Foi um caso rápido. Intenso mas rápido. [A câmera foca os olhos. O olhar da atriz deve expressar súbito esclarecimento] O pisão no pé. Pega o celular. Disca números que achava que nunca mais discaria. Números que a fariam mal. Mas que a fariam sentir alguma coisa. Números que não apenas pisariam no seu pé. Iriam arrancá-lo. E, assim, fariam sua enxaqueca magicamente desaparecer. [A câmera agora mostra um sorriso tímido de satisfação] Com pisão no pé ela sabe lidar.

Page 1 of 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén