Obrigada

Ser amigo é saber extrapolar
Romper alguns limites
Querer o bem da forma mais pura que se conhece
Amar sem o peso da paixão
A melhor amiga vira até irmã de sangue
E os privilegiados têm irmãos de sangue que também sabem extrapolar
Ter amigos nos faz redefinir ‘espaço’ e ‘tempo’
A distância não se mede em quilômetros
E o tempo passa a ser lembrança e esperança
E, assim, ‘saudade’ também deixa de ser a mesma
Falar de amizade é dar novo sentido a palavras que costumamos banalizar
Gratidão
Carinho
Renúncia
E ser feliz é ter o privilégio de
A cada dia
Poder ter ao menos um amigo por perto
Falar de amizade não é falar de pessoas
É sentir o peito encher-se de conforto e alegria
E daquela calma que só o amigo pode nos trazer
Serei feliz se
Ao chegar ao fim da vida
Puder sentir do coração cheio de rostos amigos
E ao ver seus rostos
Serei capaz de evocar pequenas lembranças
E reconhecer que vocês sempre extrapolaram
Todas as minhas expectativas
E terei paz se ver em seus olhos
Que eu também fui sua amiga
E em nossas vidas soubemos não permitir que tal ligação se corroesse
Não importa o tempo
Não importa a distância

Quer saber por quê?

Porque viajamos juntos, seja para São Pedro d’Aldeia, para Petrópolis, Floripa ou mesmo Barra do Piraí. Porque é fácil ter sempre um chopp depois de um dia chato. Porque somos filósofos de mesa de bar. Porque comemos no japonês. Porque pulávamos corda e elástico no recreio. Porque qualquer motivo nos levava a inventar festas à fantasia. Porque tocávamos violão por qualquer motivo, em qualquer canto, em qualquer lugar. Porque gostamos de Banco Imobiliário e War. Porque ríamos da filosofia do colega mala na Aliança. Porque dividíamos o chão da sala forrado com cobertores na adolescência. Porque jogávamos queimado na rua quando faltava luz, com nossas mães sentadas em cadeiras de praia na calçada. Porque “ComInspiramos” nas praças de Duque de Caxias, com muito Drumond, Vinícius e Cecília. Porque jogamos vôlei na grama. Porque vimos o pôr do sol do pátio do Museu de Arte Contemporânea. Porque brincamos de mímica no ano novo e quando desse vontade. Porque abraçamos a praça de Barra Mansa e, literalmente, enfrentávamos os Leões. Porque fundamos uma Confraria, adoramos o Arco do Teles e nos divertimos vendo quem entra no Dito e Feito. Porque nunca enjoamos de pizza. Porque fomos dançarinos no primário, atletas no ginásio e metidos à cientista no curso técnico. Porque fomos diplomatas em conferência da ONU. Porque tocamos juntos em um grupo de MPB. Porque vivemos intensamente os anos 80 e as festas PLOC não nos seduzem tanto assim. Porque já vimos o desfile das escolas lá na Sapucaí. Porque não agüentávamos mais churrascos na faculdade, mas marcávamos outros mesmo assim. Porque inventamos entrar para a Comissão de Formatura e nunca mais fomos os mesmos. Porque viramos a noite escrevendo monografias com palpites mútuos. Porque rimos à toa no escritório e nossas reuniões podiam ter como tema a “análise” cuidadosa de uma torta de morango e chantily. Porque viramos a noite na Lapa ou na Mariozinn. Porque sempre aparecem quando eu menos espero. Porque sempre aparecem quando eu mais preciso. Porque não precisamos pedir segredo. Porque adotam meus pais. Porque me fazem rir. Porque me fazem chorar. Porque nos reencontramos. Porque simplesmente existem e fazem da minha vida um eterno aprendizado.

Muito obrigada!

PS: Pri, obrigada pela inspiração…