Tag: amigos Page 1 of 5

Das Partidas

Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver.

(Amyr Klink)
Tem um ano que parti
Sem dores
Sem rancores
Alguns temores
E parti.

Saiu o mar, entrou o rio
Saiu o quartinho e veio o quintal
Tudo novo, outro povo
E sem batuque, sem carnaval

Há um ano eu cheguei
E 7 vezes me apaixonei
E tinha esse jeito
Um colo e um peito
E nele deitei.

Solte suas amarras. Afaste-se do porto seguro. Agarre o vento em suas velas. Explore. Sonhe. Descubra.

(Mark Twain)

É sua vez de partir, meu amigo. Vai.

Vai, não apenas por ser necessário, mas por ser caminho. Muda a paisagem mas não muda a essência. O que é importante você leva no coração. Os seus, o samba, o mengo e o dengo estarão sempre contigo. E seu coração é grande o suficiente para novos dengos que eu sei. Vai que vai ser lindo. Vai que você está tinindo e é assim que o olhar brilha.

‘Não tô dando nem vendendo como o ditado diz’. Você não precisa do meu conselho, eu sei, ‘o meu conselho é pra lhe ver feliz’. Cantou o cantor. Quero lhe ver feliz e, com sorte, ‘que você me queira’. Cantou a cantora. Eu fico com o querer de novo o seu abraço, seu beijo suave e suas mãos nas minhas costas naqueles momentos quando você está à vontade. E suas mãos nos meus cabelos, naqueles raros momentos em que você está mesmo à vontade. Quando o tempo for generoso, o espaço entre nós sumirá.

Vai, e abraça tudo. Sente. Come. Bebe. Permite e permita-se. Vai. Você vai tirar de letra. Depois me conta.

De leve, um até breve.

Conto com isso.

Conta comigo.

Os admiráveis e o inusitado

Um cafezinho com um amigo no início da noite e novamente a impagável e deliciosa sensação de estar com uma pessoa admirável. Posso reclamar de muita coisa na vida mas uma coisa tenho que reconhecer: ela, a vida, é extremamente generosa comigo me cercando de inúmeras pessoas admiráveis.

O admirável Millôr dizia que “são admiráveis as pessoas que nós não conhecemos bem”. Mas eu não consigo acreditar que sou apenas uma deslumbrada (não que eu não o seja, mas isso não vem ao caso agora). O fato é que não posso estar assim tão enganada acerca de tantas pessoas. Eu adoro admirar. Simplesmente saltam aos meus olhos as virtudes destas pessoas: inteligência, generosidade, lealdade, responsabilidade, alegria, a simples (e dificílima) capacidade de amar, a (mais difícil ainda) capacidade de se deixar amar ou, em alguns casos até, a sua invejável capacidade de seguir seus sonhos e o seu coração (sim, eu conheço pessoas assim!). Isoladas ou combinadas entre si, eu vejo essas virtudes em vários rostos à minha volta. E agradeço todos os dias por isso.

Diz o clichê que amor sem admiração é amizade. Para mim nem um nem outro existem sem admiração. É como uma paixão – mesmo que um tanto abstrata – mas que uma hora, do nada, vira respeito sólido e indissolúvel. Como adoro sentir orgulho das conquistas e da conduta de quem está ao meu redor. E como é delicioso perceber que são pessoas que não precisam, melhor, que não fazem a menor questão de terem admiradores. Simplesmente são assim: admiráveis, inspiradores. E, mesmo não me sentindo em nenhum momento inferiorizada por nenhuma delas, elas sempre me inspiram a tentar o melhor de mim, a ser sempre alguém melhor.

Também insisto no exercício da simples admiração gratuita, despretensiosa. O deixar os objetos da minha admiração desobrigados da perfeição, simplesmente porque é injusto esperar perfeição de um ser humano (por mais que eu acredite que meus amigos são super-humanos) e mais ainda porque acredito que a estrada para o respeito passa pela tolerância às imperfeições. E aí vem a crueldade da coisa porque, por conta disso, minhas decepções costumam ser traumáticas, dramáticas e torturantes.

Tudo isso explica um bocado o por que hoje me tortura o inusitado: a imperativa necessidade de um específico desamar. Mas como, se ainda sou toda admiração? Não há (nem haverá) decepção para, curiosamente, “ajudar” nesse processo. Só existe a certeza de que outras pessoas também admiráveis satelitam esse meu amor. E isso me conforta, ainda que controversa e timidamente. Uma trilha misteriosa se mostra à minha frente. Temo que me resta esperar um outro clichê: a ajuda do tempo.

O começo de todo o sempre

Eu tinha tanto medo
Andava tão cansada de brincar por aqui e ali
Minhas razões nunca foram claras, para mim.
Resolvi arriscar.
Decidi me sentir desacorrentada de tudo
das razões, das ações, dos julgamentos
Precisava de uma consideração sua…
Precisava desta certeza!
Precisava de uma razão para me sentir uma mulher
Precisava de uma razão para amar você
e encontrei nos seus olhos.
Neles, vi o mundo que me esperava
Os sonhos que me despertavam
A realidade que me acontecia
A verdade sem amarras ou medos
Apenas de entrega
Apenas de pureza
Apenas de amor
Andava tão cansada de brincar por aqui e ali
Minhas razões nunca foram claras, para mim.
Resolvi arriscar.
Com a realidade de seus olhos
Encontrei minha razão para ser uma mulher
Encontrei uma razão para amar
Te entrego meu coração
Mesmo sabendo que com ele você pode brincar
Mas com esta nova moldura em mente
muitas flores podem desabrochar
E hoje começa o resto de nossa história
Andava tão cansada de brincar por aqui e ali
Minhas razões nunca foram claras, para mim.
Resolvi arriscar.
Minha razão é amar você.
E isto é tudo o que eu quero ser
Uma mulher…
Sua mulher…

Do Rodrigo Gorosito, atendendo a pedidos…

Imagem daqui.

 

Leninha Eterna!

Se tem algo que agradeço ao futebol, mais do que as emoções ou mesmo do que minha paixão pelo Flamengo e tudo o que advem dela, é o fato deste esporte ter me apresentado pessoas incríveis, independentemente de clube, bandeira ou time. O Flamengo, especial como é, tem uma grande parcela de “culpa” nisso e foi o responsável por colocar na minha vida algumas pessoas realmente incríveis. Dentre elas, uma eu posso dizer sem a menor dúvida que era mais do que especial: era um anjo. E hoje Deus chamou esse anjo para perto de si. Minha grande e querida amiga Lena Souza não pertence mais a este mundo. Começa hoje a cumprir uma nova e linda missão depois de nos brindar com lições de alegria, disposição, delicadeza (até nos momentos de conflito), perdão, família e tantas outras, um pouquinho a cada dia. Uma das pessoas mais carinhosas que já conheci na vida, sempre fazendo questão de estar por perto e nos lembrar do quanto nos queria bem. Dentre tantas, foi uma das pessoas mais presentes no pior momento da minha vida e nunca vou conseguir expressar em palavras todo meu carinho e minha gratidão por isso e por ela ser quem era. Que minha amiga querida faça uma passagem tranquila sabendo que aqui fica um vazio sem tamanho, mas que graças ao jeito Leninha de ser, não será difícil de ser preenchido com as melhores lembranças de uma linda amizade!


Te amo minha amiga. Me perdoe por não ter lhe dito isso mais vezes… Descanse em Paz!

Eduardo & Mônica

Voltei no tempo. Hoje pela manhã foi como se o tempo tivesse voltado a 1986. Estou de volta à sétima série, ao pátio do Colégio Santa Maria, às mesinhas da Degrau Lanchonete, aos bancos dos ônibus da Flores, aos corredores do CCAA. E, onde quer que fosse, sempre que tinha uma musiquinha rolando, não tardava a tocar Legião Urbana. Era a hora e a vez do disco DOIS – O Disco – que tinha, entre outras, “Daniel Na Cova Dos Leões“, “Quase Sem Querer“, “Acrilic On Canvas” (uma de minhas favoritas ever), “Tempo Perdido“, “Andrea Doria” (outra das favoritas ever), “Fábrica“, “Índios” e “Eduardo e Mônica“.

Naquela época eu mal havia beijado na boca. Tinha várias paixões e subsequentes desilusões intensas. E eu não entendia como a Mônica podia olhar pro Eduardo – que tinha 16 – porque na verdade eu morria de ciúmes, achando que eram tipos como a safada da Mônica que não deixavam o Eduardo que só tinha 16 olhar para as meninas de 13, como eu. Ou seja, queria me convencer que a Mônica era uma retardada, fazendo medicina e dando confiança pro pirralho que podia ser da minha turma no cursinho de inglês. Com o passar do tempo fui me acostumando com a ideia de rapazes fascinados por garotas mais velhas e fui aprendendo a curtir a baladinha que era sobre muito mais do que só isso.

Era a história bem humorada de um casal cheio de diferenças que ralou pra ficar junto. Não um casal que superou as diferenças, mas que aprendeu a viver com elas. Porque cada detalhe bizarro de um acrescentava algo inesperado ao outro, um novo ponto de vista, uma jeito diferente de viver, perspectivas diversas, fora de suas próprias curvas. E só assim, juntos e separados, eles seguraram legal a barra mais pesada que tiveram. Era difícil imaginar tanta diferença danto certo, mas hoje, às vésperas do dia dos namorados, a agência África, a O2 Filmes e a Vivo conseguiram fazer um filminho publicitário (dirigido por Nando Olival) só para o youtube, que respeitou a simplicidade da letra de Renato Russo e colocou na telinha as espectativas de toda uma geração.

Eduardo e Mônica talvez já estejam separados, mas devem ser daqueles casais que continuam amigos de vida inteira. Se juntos ainda, talvez estejam comemorando suas Bodas de Prata. Não com festa pomposa – que seria a cara do Eduardo – mas com mais uma viagem. Não interessa o final. O legal é o durante, que fez parte da vida de muitos adolescentes, como eu.

Twestival Rio 2011

Ontem foi dia de Twestival mundo afora. Aqui no Rio, o evento organizado pelos queridos Cláudia Catherine e Roney Belhassof aconteceu no restaurante Andy’s Brasil no Leblon. Além de rever muita gente boa que entrou na minha vida através do @tudoemsimas, também pude conhecer o próprio Andy’s do qual eu só havia ouvido falar (muito bem) até então. O Twestival Rio desse ano (o logo ao lado foi criado pela talentosa @happymoon) adotou a Casa de Apoio à Criança com Câncer Santa Teresa (CACCST), fundada em 2005 e que tem por finalidade apoiar as crianças portadoras de Neoplasia (câncer infantil). Para ajudar a garantir que as famílias das crianças deem início e continuidade ao tratamento da doença, a CACCST oferece hospedagem, alimentação e transporte até os hospitais de tratamento, com retorno à Instituição. Além disso, distribuem apoio nutricional para as famílias carentes dessas crianças mensalmente, que também contam com serviço de Assistência Social (toda a família), Orientação Psicológica, Odontológica, Pedagógica, Recreação e outras atividades de cunho social. 

Marcou passo e não se ligou no evento global mais social do Twitter? Sem grilos, ainda dá para ajudar: visite o site do Twestival da sua cidade e veja as opções de doação. Para quem participou presencialmente do Twestival Rio, cada $10,00 em doações dava um cupom para sorteio e eu fui contemplada com a Box da 5ª temporada completa de Lost – A Jornada de Volta – Edição Estendida (região 4). Como não sou fã ardorosa da série que arrebatou corações mundo afora, faço aqui uma proposta aos meus amigos e fãs da série: vamos fazer um leilãozinho em benefício da mesma CACCST? Vai funcionar assim: lance inicial de R$ 10,00 e lances incrementais de R$3,00. Começamos hoje e temos até o próximo sábado (2 de abril) para batermos o martelo. O box será entregue via Sedex após a comprovação do depósito em minha conta do valor referente ao arremate e publicarei aqui a prestação de contas da doação à CACCST
Tudo bem que você já viu a série toda na TV ou baixou todos os episódios via torrent, mas um box é sempre um box, não? Você pode começar ou completar sua coleção ou dar o box de presente para um amigo ou familiar e, ao mesmo tempo, ainda dar uma ajudinha básica a uma instituição que faz um trabalho maravilhoso e precisa de toda ajuda possível. E então, quem me ajuda a fazer essa boa ação?

É, tá vazio.

Muda tudo de novo, mas dessa vez com medo e sensação de derrota. Nem cabe a palavra da moda, desapegar-se, pois pouco tenho ainda ao que me apegar. É desfazer. É sensação de desperdício. É desfazer-se. E evito parar pra pensar. Tudo piora quando penso. Venho e vejo o blog vazio. E constato que ele está assim porque a vida segue um tanto vazia. O coração também. Mantenho o nariz empinado dizendo que não preciso de mais do coração. Nele já tem a família, já tem os amigos-irmãos-queridos-de-todas-as-horas, já tem os outros amigos, já tem o futebol, a música, os livros e o cinema. Mas é balela. Falta a falta de fôlego. Isso eu não posso me dar.

Antigamente vinha aqui confessar, palpitar, compartilhar. Agora fica tudo subentendido nas entrelinhas ou telinhas do twitter e do facebook. A maioria acredita nessa fanfarronice. Mérito meu, que disfarço bem o vazio, ou desatenção delas. Não importa. Algumas poucas pessoas percebem o descabido. Mandam afagos em forma de palavras, beijos, carícias, versos ou prosa que revisito a todo momento e tento me reconhecer no que eles enxergam de mim. Me sinto idiota. Dramaqueen. Penso no tanque de roupa que não tenho pra lavar e concluo que esse é o problema. E fim da análise.

Shut me up.

Feliz 2011

A cada ano que passa, sinto que de 31 de dezembro de um ano para o 1 de janeiro de outro não passa de… uma noite. Vira-se calendário mas continua sendo só um dia após o outro. Não consigo mais me encher de esperanças de que, com a mudança de um dígito no calendário, minha vida vai mudar. Quero acreditar em novas oportunidades, novos ciclos, mas estou sem energia para tanto.

Entretanto, sei que sou uma pessoa de extrema sorte por ter à minha volta pessoas que não são como eu e, para elas, um novo tempo de renovação e esperança está por começar. E é a cada um de vocês, que abrilhantam meu cotidiano com suas presenças inspiradoras e iluminadas que eu dedico toda a energia que eu consigo capturar do fundo do meu ser para desejar que 2011 seja fantástico, maravilhoso, sem igual, muito melhor do que 2010 e apenas bonzinho se comparado com o que serão 2012, 2013, etc.

Vocês, aqui, no twitter, no Rio ou em Resende, fizeram com que 2010 não fosse completamente inútil e esquecível. Espero retribuir em 2011 ajudando a realizar seus sonhos, compartilhando alegrias ou apenas estando presente quando de mim precisarem. Muito obrigada por existirem!

Me mudei. De novo. Ou Cortinas de Lumiére.

E ainda não tenho cortinas. Janelas grandes, e a iluminação exterior que enche de amarelo o quarto recém habitado. Soubesse eu fazer poesia, faria. Não sabendo, pedi. E A.B. atendeu. Compreendendo, como sempre, mais do que eu mesma.

Cortinas de Lumiére

Se saudade fosse
sólida como parede
a luz do mundo, lá fora
usaria tal tela
pra contar uma estória

De uma nova chance
Da liberdade
De um canto só seu
De uma música que só você dança

Feliz Natal

Não sou mais tão religiosa como a criança carola que fui um dia. Natal para mim é pouquíssimo mais que uma reunião de família. Importante para abraçar apertado meu pai e minha mãe e lembrá-los do quanto sou grata por tudo o que me deram. Importante para ligar aos amigos e dizer-lhes o quando são amados. E importante para me lembrar de que eu não deveria precisar do Natal para isso.
Então, antes de listar esse lembrete como uma nova resolução de Ano Novo, deixo aqui meus sinceros votos que o Natal de vocês seja belo, singelo, tranquilo e na companhia de quem mais lhes seja caro. Que este espírito de alegria invada seus lares e nele permaneça por todo o Ano Novo. O importante é ser feliz! Sempre e para sempre!

Page 1 of 5

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén