Tags

,

Não vou bancar a cinéfila. Não vou falar de roteiro, de fotografia, no mérito ou demérito do 3D. Quem quer resenha profissional sabe onde procurar. Quero falar apenas que Gravidade funcionou comigo. Mesmo. Cada giro da câmera me colocou no lugar da Dra. Ryan Stone. Cada respiração dela embaçava as lentes do meus óculos. Cada susto dela, e meu coração quase saía do peito. O que ela sentia lá, eu refletia aqui. Estranhamente sincronizado. O medo absoluto e avassalador da imensidão de nada ao seu redor. Don’t let go. O terror da solidão involuntária. Let go. A solidariedade na falta de esperança. O fim.

No fim, uma grande metáfora de escolhas. Ao extremo. Pois não basta apenas sair da zona de conforto (você é uma especialista que tem a chance de ir ao espaço), é preciso lidar com todas as adversidades possíveis. Murphy às avessas. Ou Murphy puro e aplicado. Não sei… Sei que vale muito a grana do ingresso e da pipoca e o desconforto dos óculos 3D (aqui vale parênteses: a experiência de imersão não acontece apenas por conta da opção pelo 3D, mas pelo cuidado de nos colocar no lugar da protagnista, descobrindo a coisas junto com ela, sem narração, sem explicação, apenas vendo o que ela vê e isso é sensacional). Sério. Cuarón me arrebatou. Me tirou o fôlego e o chão. Fim.