Insone – Capítulo 14.549

É como se ela investisse suas economias em terrenos na lua. Ela sabe que não pode compartilhar essas decisões – o mundo “moderno” curiosamente não está pronto para tanto – mas as toma repetidamente dia após dia, noite após noite. Afinal, é a lua. A música que toca soa – diria a moça de alcunha de cor – como “uísque barato”. Gosto de música ruim. As mãos dançam no ar. Na verdade é só a abertura do seriado da TV: Um piano classudo metido a suado fazendo as vezes de cabaré. Não queria estar ali. Manda mensagens ao vento e, nesse dia, o (um) elemento soprou de volta. Se distrai com o barulho da unha roçando a fronha. Estúpida. Não controla o pensamento e chora quando quando percebe o absurdo da metáfora. Lembra da possibilidade sorridente ali que, de tão próxima, vira  impossibilidade. Terrenos na lua, tão atraentes. Tão seus. Sabe que são seus. Será que são? Sim, algumas vezes ainda o são, sim. Outras estão longe, sendo lua-de-mel para alguém. Perdeu, playboy. Passou o tempo e o segredo nunca foi tão solitário. Olha pro lado e vê uma barba ranzinza que lhe convém. Um terreno baldio bem terreno. No lua for you, beibe. Um satélite artificial. Nada mais que um subterfúgio na forma de vento. Ou apenas uma escala para chegar… ao sono.

PS: post inspirado num filme onde um blogueiro poeta posta sobre comprar terrenos em Marte.

Sobre Cacau

Carioca. 38 anos. Analista de Relações Internacionais. Flamenguista (herança do S.Beleza). Manqueirense (sambista sempre). Taurina. Soprano. Ruiva (quase sempre, por insistência). Chorona. Apaixonada pela sua família. DVDmaníaca. Fã de MPB, Rock, BRock, Samba e 70's songs. Viúva do Vinícius. Órfã da Maldita. Cantora sem talento. Lamenta não ser contemporânea do Elvis ou Elis. Quer aprender Tango. Viciada em Big Mac e Pinball no PC. Adora futebol E football. Troca facilmente um longo telefonema pela mesa do bar mais próximo. Vive bancando a ostra. Está sempre atrasada. Karateca cuja promissora carreira foi interrompida por uma fratura na mão direita. Lê mais que a média e menos do que deveria (ou gostaria) assim como viaja menos do que merece. É um fracasso em finanças pessoais. Quer ganhar qualquer grana na raspadinha, mas nunca as compra. Curte noitadas de Quizz e Karaokes. Tem insônia semanalmente. Adora dar presentes. Odeia sentir-se impotente. Devotada aos amigos e aos amores.
Esta entrada foi publicada em Diário e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

1 respostas para Insone – Capítulo 14.549

  1. Renato disse:

    Terreno na lua? Tô vendendo alguns, em local plano, sem crateras, e tal..
    😉

Deixe uma resposta