“Resolvi que hoje vamos falar sobre felicidade”, disse a elegante senhora em tom professoral. Naquele momento estremeci. Eram umas trinta pessoas na sala e eu estava certa que era para mim que falava aquela senhora. Justamente porque tudo o que não quero falar é sobre felicidade mas principalmente porque sei que, quando se fala em felicidade, fatalmente se fala de escolhas. Não é uma boa época para me fazer encarar minhas escolhas. Esbarro com elas todos os dias. Um companhia incômoda que faço questão de menosprezar, a despeito da insistência daquilo que acredito ser a minha tal implacável consciência.

Nada me assusta mais do que a plena consciência das minhas fraquezas. Porque a maior delas parece ser a total incapacidade de reagir ou superá-las. Inception. Areia movediça. Covardia de reconhecer que encaixotei minha gana e a deixei em alguma curva do caminho? Não sei. Parece tudo o mesmo. E, enquanto a voz baixa daquela senhora falava em filósofos, estudiosos e nos conceitos de felicidade dos povos e através dos tempos, eu revisitava minhas escolhas, sem conseguir mais discernir o que tinha me levado aonde e assitindo o desfazer da conveniente certeza de que sempre algo de bom sobressaiu ao que parecia ser alguma iminente catástrofe.

A voz era de uma desconhecida mas era meu próprio dedo que se sacudia acusador à frente do meu rosto. Não precisava daquela senhora para me dizer quem sofreria as consequências das minhas escolhas. Eu sempre soube, só preferi nunca falar disso (aquela solução mágica de fazer o problema desaparecer simplesmente por não lhe fazer menção). Agora estou aqui escrevendo. Deve significar alguma coisa. Espero que signifique.