Como eu disse, nada muda…

Acordei com a chuva bem antes do despertador. Muita chuva. Muitos trovões. Assustador. Poucas vezes me peguei utilizando a palavra tempestade para me referir à chuva. Pensei: isso sim é uma tempestade. Pensei também, ainda deitada, que nem adiantava me levantar, porque provavelmente não haveria como sair de casa. Resisti a tal reflexão profunda e tentadora e me dirigi ao chuveiro. Quando desci vi que o subsolo do prédio estava alagado quase até o segundo degrau da escada. Os funcionários estavam tentando bombear a água pra rua. Na rua, a pista da Conde de Bonfim que vai em direção ao Centro estava completamente parada. Curiosamente a pista de subida para a Usina também. Vinte minutos na porta do prédio e os mesmos carros à minha frente, resolvi telefonar. Tudo bem, se os celulares estivessem funcionando. Optei por voltar para casa. Ao sair do elevador um rato enorme me fez dar um berro e fechar a porta correndo. Voltei pro térreo pra chamar o zelador que, é claro, já tinha ouvido o meu grito. Ele (o rato, não o zelador) sumiu. Espero que não tenha entrado no meu apartamento. Ele era suficientemente grande para não poder passar por baixo de uma porta (espero). De qualquer forma, fiz algumas ligações, catei notícias na web, e estou calmamente escrevendo e nem sinal do famigerado roedor. Não sei quando vou conseguir sair de casa. Parece que caíram barreiras na São Miguel e no Alto. Não consegui descobrir como está o Itanhangá. Vai ser um longo dia…

Sobre Cacau

Carioca. 38 anos. Analista de Relações Internacionais. Flamenguista (herança do S.Beleza). Manqueirense (sambista sempre). Taurina. Soprano. Ruiva (quase sempre, por insistência). Chorona. Apaixonada pela sua família. DVDmaníaca. Fã de MPB, Rock, BRock, Samba e 70's songs. Viúva do Vinícius. Órfã da Maldita. Cantora sem talento. Lamenta não ser contemporânea do Elvis ou Elis. Quer aprender Tango. Viciada em Big Mac e Pinball no PC. Adora futebol E football. Troca facilmente um longo telefonema pela mesa do bar mais próximo. Vive bancando a ostra. Está sempre atrasada. Karateca cuja promissora carreira foi interrompida por uma fratura na mão direita. Lê mais que a média e menos do que deveria (ou gostaria) assim como viaja menos do que merece. É um fracasso em finanças pessoais. Quer ganhar qualquer grana na raspadinha, mas nunca as compra. Curte noitadas de Quizz e Karaokes. Tem insônia semanalmente. Adora dar presentes. Odeia sentir-se impotente. Devotada aos amigos e aos amores.
Esta entrada foi publicada em Carioquês, Cotidiano. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 Responses to Como eu disse, nada muda…

  1. Sérgio disse:

    Para um início de semana, a sua promete bastante pelo jeito.
    Fazendo un contraponto..Por aqui temos um céu azul, sol brilhando, pássaros cantando, ou seja, tudo de bom !
    Espero que você consiga chegar ao seu trabalho, de preferência, sem o Mickey como companhia 🙂
    Bj

    Em tempo : tem coisas que mudam sim..Basta nós querermos !

  2. Ock-Tock disse:

    Aqui pelo Maracanã o caos também se instalou. Acredito que, elo horário em que estou escrevendo (8:45), as coisas tenham melhorado – vamos torcer.

    Em tempo: adorei o novo visual! Está a sua cara 😉

  3. Re disse:

    Sem querer ser aquela pessoa desagradável… mas rato passa por qq frestinha, eles são meio elásticos… então, pano debaixo das portas, ok?
    Beijos!

  4. Sérgio disse:

    Um é bom, dois é otimo, mas três é demais…rsrsrsrs

Deixe uma resposta