A Vida imita a arte?

Acordar em cima da hora pro trabalho não só não é saudável, como também sai caro. Acho até que já falei isso aqui. Acabo tendo que pegar um táxi que, da Tijuca para a Barra, garfa o equivalente a dois almoços. Essa semana me dei conta de uma mania que eu mesma ainda não tinha percebido: quando estou para entrar no táxi, observo a cara do motorista e, pasmem, o pininho que tranca a porta. É isso mesmo, para me certificar de que ele não está, digamos, afiado… Eu sei que sou impressionável, mas isso foi demais até pra mim mesma!

A tal viagem de táxi prosseguiu ilustrada por uma busca frenética por outras manias que as pessoas (claro, ou vocês acham que só eu sou a doida?) possam ter adquirido por conta da influência da sétima arte. Para meu grande alívio, percebi que as minhas não são muitas. Sempre que assisto o Sexto Sentido, por exemplo, eu fico um tempo sem levantar da cama à noite. Fico com pânico de corredor! De bom, aprendi a apreciar passeios descalços na grama, graças à Júlia Roberts. Mas a pior de todas é repetir falas cinematográficas sistematicamente no meio das conversas. Nada demais, coisas do tipo: “Grandes poderes trazem grandes responsabilidades”, “Multiplique pelo infinito, leve às profundezas da eternidade e terá um vislumbre do que eu estou dizendo”, “Jamais subestime a Força!”, “Você ganha comissão? Que mancada. Que man-ca-da…”, “Não, ele não seria assim tão óbvio…”, “Run Forest, run!!!”… Não me lembro agora de mais nenhuma. Depende da situação. Ah, e falar como Yoda também faço muito… errr. Deixa pra lá…

Fora isso, já vi amigo bêbado dançar com poste, bancar o Super-Homem, fingir que voa na proa do Titanic, criança repetir incansavelmente “vingardius leviosa” (se é que é assim que se escreve), gente que não pisa em linhas no chão e não duvido que em pouco tempo a galera esteja degustando ovo cru a torto e a direito. Mas dizem que a vida imita a arte, não é mesmo? Por que nos condenaríamos?

Sobre Cacau

Carioca. 38 anos. Analista de Relações Internacionais. Flamenguista (herança do S.Beleza). Manqueirense (sambista sempre). Taurina. Soprano. Ruiva (quase sempre, por insistência). Chorona. Apaixonada pela sua família. DVDmaníaca. Fã de MPB, Rock, BRock, Samba e 70's songs. Viúva do Vinícius. Órfã da Maldita. Cantora sem talento. Lamenta não ser contemporânea do Elvis ou Elis. Quer aprender Tango. Viciada em Big Mac e Pinball no PC. Adora futebol E football. Troca facilmente um longo telefonema pela mesa do bar mais próximo. Vive bancando a ostra. Está sempre atrasada. Karateca cuja promissora carreira foi interrompida por uma fratura na mão direita. Lê mais que a média e menos do que deveria (ou gostaria) assim como viaja menos do que merece. É um fracasso em finanças pessoais. Quer ganhar qualquer grana na raspadinha, mas nunca as compra. Curte noitadas de Quizz e Karaokes. Tem insônia semanalmente. Adora dar presentes. Odeia sentir-se impotente. Devotada aos amigos e aos amores.
Esta entrada foi publicada em Cinema. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas para A Vida imita a arte?

  1. Sérgio disse:

    Simplesmente amei !!
    Quem não tem, pelo menos, uma mania que atire a primeira pedra.
    As minhas não vou contar não ! Acho melhor não.. 🙂
    Beijos

  2. Re B disse:

    Eu queria viver num musical. Tipo, eu acordava de amnhã, ia na padaria comprar pão, aí vinha uma melodia saída não sei de onde, eu começava a cantar, e incrivelmente os padeiros e clientes também sabiam a música – que eu estou inventando na hora- e a coreografia – sem ensaio – e de repente tudo terminava e continuava minha vida até a próxima música.
    Xii…Acho melhor eu voltar a trabalhar agora… beijo

  3. Pingback: Das Confissões | Tudo em Simas!

Deixe uma resposta