Mês: outubro 2009

Salve São Judas Tadeu! E não só ele…

Salve toda uma nação: a Nação Rubro-Negra. Hoje, 28 de outubro, dia de São Judas Tadeu. Ele, o padroeiro do Flamengo e meu próprio, pois em sua igreja eu fui batizada. Ele, que emprestou sua data para que celebremos na Cidade do Rio de Janeiro (oficialmente) – e em vários cantos do mundo – o dia do Flamenguista.


Sou Flamenguista desde que me entendo por gente. E falar do Flamengo pra mim é mais do que emocionante porque se trata de trazer meu avô de volta à vida: Seu Beleza, o pai da minha mãe, que também é Flamenguista. Agora me diga você: o que esperar de um sujeito com um apelido desses? Uma figura querida por todos na vizinhança. Pedreiro, batalhador, patriarca apaixonado e avô carinhoso. Ele respirava Flamengo. Vivia o Flamengo. Sorria e chorava com o Flamengo num tempo em que o futebol era muito mais do que 11 marmanjos querendo ser exportados para a Europa ou para o Oriente Médio. Ele viu o primeiro Tri-Campeonato Carioca (42/43/44) com Mestre Ziza, Domingos da Guia e companhia. Viu o segundo tri (53/54/55) com Zagallo e também viu a estréia do Galinho em 72. E como ele amava esse clube, campeão na terra e no mar! E assim eu nasci com este gene indescritível e inabalável e inexplicável e incurável, incubado na minha existência: a paixão pelo Clube de Regatas do Flamengo


Mas o que é ser Flamenguista? Vou recolher-me ao clichê desta perguntinha óbvia para o dia de hoje e tentarei respondê-la à altura da Nação: 


Ser Flamenguista é, antes de mais nada, ter coração. Não me refiro ao músculo cardíaco, mas à bomba pulsante, vibrante que acelera duas vezes por semana no peito de 35 milhões de rubro-negros que têm o privilégio de sentirem-se vivos desta forma arrebatadora. 


Ser Flamenguista é envolver-se em cada partida. Mais: é transformar cada partida numa batalha, numa final de campeonato. É ser fiel e torcer simplesmente porque o time está em campo e ponto. É aplaudir até lateral, se ele foi perseguido na raça. 


Falando em raça, ser Flamenguista é ter ‘raça’ no vocabulário e no estilo de vida. É não se conformar, não se acomodar. É trabalhar o dia inteiro e ainda ter força para gritar sempre – coro unido, uníssono e muito alto – nas noites de quartas ou quintas. É saber que a vida é cheia de altos e baixos e seguir em frente, reconhecendo que no futebol essa montanha-russa é muito mais vertiginosa, mas sem nunca se deixar abalar e manter firme a paixão. 


Ser Flamenguista é ser o único a saber exatamente o que vai encontrar ao chegar às arquibancadas no Maracanã: a festa mais linda de todas. A Nação embalada pelos cânticos mais emocionantes. Homens, mulheres e crianças que – sem apelos, campanhas ou promoções – batem ponto no templo do futebol para cantar e torcer pelo esquadrão mais pressionado do futebol: aqueles rapazes que crescem em campo e viram guerreiros para defender o mais querido do mundo. 


Ser Flamenguista é sangrar junto com o time. E aqui, dou voz a ninguém menos do que Nelson Rodrigues: “O adepto de qualquer outro clube recebe um gol, uma derrota, com uma tristeza maior ou menor, que não afeta as raízes do ser. O torcedor rubro-negro, não. Se entra um gol adversário, ele se crispa, ele arqueja, ele vidra os olhos, ele agoniza, ele sangra como um césar apunhalado.” 


Já disse aqui antes que nada tenho contra outros clubes brasileiros. Gosto de futebol levado a sério e quero ver partidas maravilhosas tanto no Carioca quanto no brasileirão. Times de primeira linha para que quando eu grite “É CAMPEÃO!” não haja a menor das ressalvas. Sei que a maioria não é assim. Que quem não ama simplesmente odeia o meu Flamengo. Nada posso fazer. Na verdade tenho pena de gente inteligente que se dá ao trabalho de se preocupar com meu time a ponto de partir para ofensas pessoais – que sempre acabo relevando. Tenho pena daqueles cujo amor ao próprio time não se basta como o meu amor pelo Flamengo me completa. 


Meu nome é Cláudia Simas. Nascida sob o signo rubro-negro e o ascedente em Zico, a estrela maior. Eu sou apaixonada, vibrante, batalhadora e feliz. Eu sou Flamenguista, de sangue e carteirinha. 


E hoje é o meu dia, o seu dia, o nosso dia, Nação! O Dia do Flamenguista. Graças a São Judas Tadeu!


Saudações Rubro-Negras.

Procurando Emprego

Na contínua busca por um novo emprego, obviamente respondo a alguns anúncios que aparecem por email diariamente. Um deles já apareceu, vindo da mesma agência, exatamente 6 vezes em três semanas. Em todas elas enviei o email com respectivo CV anexado e uma breve apresentação no corpo do email. Não ouve nenhuma resposta até o momento e, por email, disse à amiga que me encaminnhou esta e outras oportunidades que continuaria respondendo ao anúncio, tantas vezes fosse publicada.

Eis a resposta dela:

Várias possibilidades: 

1 – Eles não são capazes de interpretar corretamente o seu CV e realizar que você seria uma ótima aquisição para o quadro de funcionários deles;

2 – Eles interpretaram corretamente e lamentam não estar no seu nível de conhecimento para lhe oferecem um salário digno. Envergonhados, nem respondem;

3 – Recebem tantos e-mails que não dão conta de ler nem 1/10 porque são incompetentes e você não merece passar por isto de ir trabalhar em uma empresa tão “chinfrin”;

4 – “Alguém lá em cima” gosta tanto de você que lhe reserva uma vaga mil vezes melhor e está impedindo que você vá para esta bosta de vaga que estão oferecendo;

5 – Eles esqueceram que a vaga já foi preenchida e ão retiraram o anúncio…

Vá entender, né? 

Beijão (continuarei a torcer para que o ítem 4 acima seja o correto)

Katita

Como já disse aqui em outras oportunidades: eu amo meus amigos!

Nem título tem

Quero escrever. Quero muito escrever, mas não sei o que. Falar das minhas paranóias, da minha inquietude e da minha paixonite. Mas a primeira é imprecisa, a segunda é momentânea (espero) e a terceira é indescritível e, sinceramente, acho que prefiro mesmo não falar nela. O que eu queria mesmo é escrever fácil, como aquelas pessoas que têm o pensamento ordenado e simples e basta um tema para desencadear o raciocínio e a redação. Ou como os músicos que dedilham facilmente os instrumentos mal olhando para as cordas enquanto eu me esforço para respirar compassadamente. Quero rascunhar um poema, compor uma canção, contar um conto, expor uma teoria, destrinchar a filosofia. Nada. Nada sai dessa cabeça de vento. Assuntos vêem e vão enquanto os vejo passar na janela tal qual a Carolina de Chico. A crueldade da minha total inaptidão criativa não só me frustra, mas me corroe de tanta inveja alheia. Que feio. Que vergonha.


O que será que me falta? Um muso? Não. Disciplina. Provavelmente. Experiências contáveis? É possível. Talento? Com certeza.


Quero escrever sobre os livros que li e sobre os que quero ver. Falar dos filmes que amo e dos que ainda não amo porque simplesmente ainda não os vi. Enumerar as canções que montam a trilha sonora de uma pessoa viciada em sonoridade. Relatar o cotidiano de um escritor que não sabia que escritor era profissão e acabou se tornando outra coisa. Apresentar a família muito única e muito ouriçada. Daquele tipo até bem normal, que briga aqui, reconcilia acolá, mas não tem nenhum dramalhão para contar além da luta para pagar as contas no fim de cada mês. Já sei! A culpa é da escola que não deu livros suficientes para ler ou não me demandou um razoável número de redações na infância. Não. Desculpa canastrã demais até mesmo para mim (a rainha das justificativas injustificáveis).

Quero homenagear meus ídolos, meus heróis, minha geração. Quero citar meus amigos. Os velhos e os novos. São tantas figuras, tantas presenças, tantos presentes. Mas isso me apavora ainda mais porque não me atrevo a restringir o brilhantismo de suas personalidades fantásticas ao meu texto limitado. Falar impulsivamente, sem temer o assunto, a polêmica ou mesmo a luxúria. Mas me sinto cada vez mais incapaz. O que me resta? Pensar em parar. Não, não me conformo. E também não sei o que fazer. Ai que angústia sufocante e gelada.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén