O tamanho do “1 trilhão de dólares?

Toda essa conversa de “pacote de estímulos” e “salvamentos financeiros”, Fala-se em 1 bilhão de dólares… 100 bilhões de dólares… 800 bilhões de dólares… 1 TRILHÃO de dólares…
O que isso significa?

Bem, vamos começar com uma nota de $100 dólares.
Atualmente, esta é a maior nota em circulação nos E.U.A. Muitas pessoas já viram uma delas, poucos possuem uma no bolso, e é garantia de fazer amigos onde quer que vá.

Um pacote de cem notas de $ 100 dólares é inferior a 1 / 2 polegada de espessura e contém $ 10.000 dólares. Encaixa facilmente no seu bolso e é mais do que suficiente para uma semana ou duas de diversão da pior (ou melhor) espécie.

Acredite ou não, esta pequena pilha abaixo é de US $ 1 milhão de dólares (100 pacotes de $ 10.000). Você poderia colocar esta quantia em um saco de papel de supermercado e passear por aí com ele facilmente.


Enquanto que a merreca de $ 1 milhão parece bem inexpressiva, $ 100 milhões de dólares é um pouco mais respeitável. Ele se encaixa perfeitamente em um palete de madeira padrão, veja:

e $ 1 bilhão de dólares… Agora parece que estamos chegando a algum lugar,10 paletes.

Em seguida, vamos olhar para um trilhão de dólares. Este número é o que temos ouvido nos últimos meses, nas notícias do mercado financeiro e sobre a crise mundial. O que é um trilhão de dólares? Trata-se de um milhar de milhões. É o número 1 seguido por 12 zeros. Está pronto para isto? É bastante surpreendente.
Senhoras e senhores… Eu lhes apresento o tamanho de $ 1 trilhão de dólares …

(repare que os paletes são pilhas duplas)
Portanto, da próxima vez que você ouvir alguém falar por aí sobre “trilhões de dólares”, é disso que eles estão falando. Este é o tamanho da conversa!!!

Recebido por e-mail.
PS: Alguém me arruma um saquinho de papel?

Os Manés e eu

Sexta-feira, 6 de março, 16:10, embaracava rumo à Ilha. Já conheço Florianópolis de outros carnavais, ou melhor, outras oportunidades, porque no carnaval mesmo eu nunca estive por lá. Mas já que apareceu a oportunidade, e viajar a lazer nunca é demais, lá fui eu. E deixo aqui alguns momentos memoráveis destes 3 dias e 3 noites um tanto inusitados.

  1. O hotel (Baía Norte Othon Classic) não era grande coisa mas deu pro gasto já que a intensão era só dormir por lá.
  2. Assegurei às minhas amigas que não havia problema algum em alugar um carro porque a cidade era totalmente sinalizada. Ao comprovar minha afirmação, Tati disse: “Nossa! Estou impressionada: como é bem sinalizada! Quem fez isso foi uma mulher, né?”
  3. Noite de sexta na Lagoa da Conceição é “fight” total como eu nunca vi na vida. No início eu pensei “nossa! como o povo é saidinho!!!”, mas em pouco tempo me senti em uma enorme canteiro de obras. Rapazes atrevidos, esses manezinhos! Imagina se eu estivesse magrinha…
  4. Hermanos por todo lado!!! Cadê a crise? Na Argentina não tem crise?
  5. O sábado não era de sol, mas o tempo estava firme e fomos em direção às praias do norte da Ilha. Visitamos Daniela, Jurerê, Ponta das Canas, Canasvieiras, Lagoinha, Praia Brava, Ingleses e Santinho. Minha preferida, apesar das bandeiras vermelhas espalhadas, foi Santinho. Fiquei decepcionada com Jurerê: uma faixa de areia mínima, paisagem sem grandes destaques e sem o buxixo que eu imaginava haver 7 dias por semana, 24 horas no lugar.
  6. Como o domingo amanheceu chuvoso, colocamos o pé na estrada rumo ao Balneário Camboriú. Parada apenas para conhecer Bombinhas e seu cantinho no fim da praia que é o preferido dos mergulhadores. Fan-tás-ti-co!!!
  7. Chegamos ao Balneário perto das 14h e voltamos para almoçar no Recanto da Sereia, em Itapema. Uma anchova maravilhosa que custou R$ 22,00 já incluídos a bebida, a sobremesa e o serviço.
  8. Fim de tarde, voltamos para Camboriú e demos uma volta no Bondindinho (é assim mesmo que se escreve) para conhecer a cidade e, mais uma vez, nos vimos em uma filial de Buenos Aires. Pegamos o carro para comprar lembrancinhas no Centro e começou a chover. A chuva apertou e, quando estávamos no caminho de volta para a casa onde nos hospedaríamos, percebemos que a água subia muito rápido. Nunca dirigi com tanta água. Muito, muito medo. Carros na contra mão, motos cortando tudo e todos. ônibus que paravam do nada e, consequentemente, nosso carro afogado. Embicamos o carro numa calçada mais alta e esperamos. A chuva forte durou menos de 1 hora e demorou pouco mais de 2 horas para que toda a água das ruas escoasse. Graças ao bom humor dos funcionários de uma lanchonete esse tempo não foi de 100% mal-humor.
  9. Na manhã de segunda fomos conhecer o Píer e o Teleférico da cidade, o que defitnitivamente valeu a visita ao Balneário. Pena que a chuva não nos abandonou completamente e prejudicou um pouco o passeio que é formidável e que eu pretendo fazer novamente (à despeito de meu medo de altura).
  10. Na estação final do teleférico havia uma loja de camisetas com várias paródias de slogans famosos: o famoso “m” dourado que dizia – “mulheres – amo muito todas elas”, ou um bonequinho redondinho com um copo na mão dizendo “vivo bêbado”, ou uma camiseta azul vermelha e branca com a inscrição “tommy cerveja” e por aí vai… Como eu queria ter dinheiro. Todo mundo ia ganhar camiseta!
  11. Perdi o vôo das 17:20 e voltei só às 19:30 com direito a episódio toscamente dublado de The Big Bang Theory, a turbulência e a sobrevôo de mais de 30 minutos aguardando autorização para pouso no Tom Jobim.
  12. Ao ligar o pc em casa e dar uma lida de leve no O Globo foi que eu fiquei sabendo que a tal chuva forte em Camboriú era, simplesmente, um tornado.

That’s all folks! Pra quem queria um fim de semana diferente, acho que não posso reclamar. =)

Nos idos de 73…

Enquanto Dalvinha estava em trabalho de parto na Maternidade Menino Jesus, as rádios tocavam e repetiam incessantemente o hit “You Are the Sunshine of My Life” com Stevie Wonder. Não sei como sobrevivi até hoje sem essa informação! Mas até que é divertido, já que eu não fazia a menor idéia do que encontraria ao tentar responder essa pergunta… E, na boa, acho que estou no lucro.

Peguei a dica no twitter @estupendo  que achou no Não Salvo. Se você quiser descobrir o que provavelmente sua mãe ouviu no elevador da maternidade quando lá chegava pra lhe dar a luz, selecione abaixo o mês de aniversário, em seguida o dia e poderá verificar seu hit na listagem pelo ano do seu nascimento. Deixe nos comentários o resultado para que eu saiba se tenho mais ou menos sorte do que vocês!
Janeiro – Fevereiro – Março – Abril – Maio – Junho – Julho – Agosto – Setembro – Outubro – Novembro – Dezembro
PS: Não sei se existe um site similar que nos indique a equivalente canção brasileira, se alguém souber é só complementar via comentários! =) 

Yes, I can!

Disseram que eu voltei obamarizada

Faça o seu também aqui.

O Quarto

meus ombros doem e minhas mãos não param
quero estalar o pescoço e esticar a coluna
cansaço e calor
mesmo sem pressa, tudo passa rápido
e quando eu berro por agilidade, as horas se arrastam
é tudo tão confuso, tão difuso que no emaranhado 
de palavras soltas o pensamento se esquiva e foge
rumo a um lugar onde nunca estivera
e ali eu fico
repousada e inerte e tranquila
em casa

Bibliotecando

Biblioteca Popular Municipal Alvaro Moreira, no bairro da Penha (subúrbio da Leopoldina no Rio) passa a disponibilizar internet gratuita e digitação de textos para jovens e adultos por seis horas em dias de semana e 3 horas aos sábados. 

Ainda sobre livros, as duas bibliotecas do Metrô Rio (Central e Copacabana-S.Campos) ultrapassaram o patamar de 6.000 sócios que foram responsáveis por mais de 48.000 empréstimos desde 2006. No total, são 9 bibliotecas do metrô espalhadas pelo Brasil totalizando mais de 43.000 sócios.
Procurando bem a gente também acha notícias interessantes nas páginas dos jornais. Para os partidários e defensores da inclusão digital e da educação que adoram alardear um discurso pseudossocial sem sair do ar-condicionado do seu quarto equipado com o melhor PC e banda larga disponíveis, esses são casos reais que espero ver divulgados e difundidos Brasil afora.

“O que você faria se só te restasse um dia?”

Vídeo com a movimentação do 2009 DD45 visto da Austrália

Levei um susto gigante quando vi no cantinho da primeira do O Globo, quase no rodapé: “Asteróide passa de raspão pela Terra.” Normalmente começo lendo o jornal pelos esportes mas hoje fui direto para a tal reportagem entender essas seis palavrinhas tão fora de contexto. Não é que foi isso mesmo que aconteceu? O asteróide 2009 DD45 “tangenciou” o planeta na manhã da última segunda-feira passando a uma distância de 72.000 Km da superfície da Terra. Essa distância equivale ao dobro da altura dos satélites de comunicação da órbita terrestre e à um quinto da distância entre a Lua e a Terra. Com tamanho estimado entre 21 e 47 metros de comprimento, o 2009 DD45 seria similar àquele do Evento de Tunguska em 1908 na Sibéria, com efeito similar à 1000 bombas de Hiroshima, devastando uma área de 80 milhões de árvores e que, se tivesse caído 5 horas depois, teria destruído simplesmente a capital São Petersburgo. Juro por Deus que me arrepiei.

Imagino assim, o susto que não devem ter levado os astrônomos que identificaram o evento e monitoraram a rota do asteróide. Passei a imaginar também quanto tempo teríamos para uma operação de evacuação consderando que, se mal sabemos lidar com as águas março inundam o Rio, como atuaríamos frente a um problema desta natureza. Também me peguei refletindo em qual seria a minha prioridade. E não consegui pensar em mais nada além de procurar a companhia de meus pais. 
Mais notícias aqui, aqui e aqui.