Saudades

Viajo daqui a pouco para passar o fim de semana entre Santos e São Vicente. Vou reencontrar amigos queridos. A maioria absoluta de companheiros do Clube de Castores da época de plena atividade no movimento. A minoria que não era do clube, mas igualmente querida, por enquanto são a Vanessinha e a Su (que a propósito fez aniversário ontem e não consegui falar com ela!), por exemplo. É isso. Só devo voltar a escrever no início da semana que vem, então aproveito para desejar a todos um ótimo, maravilhoso, sensacional fim de semana.

Bom, deixo também um recado especial. Pro Melzinho, que partiu essa manhã. Que ele viaje em paz. Que sinta nosso carinho e receba nossas orações. Que perceba que todos que conheceram seu sorriso calmo, seu temperamento divertido e tranquilo nunca vão lhe esquecer… Até qualquer dia, Companheiro!

Santa Ignorância, Batman!

Tô passada. Arrasada… Me sentindo a mais burra das mortais. Faculdade, Pós-Graduação, leituras e mais leituras de textos e mais textos diversos, excelentes e chatíssimos também e sou obrigada hoje a reconhecer minha total e irrestrita ignorância. Mas será que alguém vai me tirar da lama? Será que mais alguém compartilhará esse sentimento tão, tão, tão deprimente?

Seguinte, lá vai minha confissão: eu nunca desconfiei, nunca fiz a menor idéia de Malba Tahan é apenas um pseudônimo! Pior: de um brasileiro!!!!!! Que vergonha! Sabem o que isso quer dizer? Que apesar de ter lido “O Homem que Calculava” duas vezes eu nunca li o raio da orelhinha do livro!!!

AHHHH!

Nunca vou me perdoar….

Pesquisas e conclusões (mais para divagações)

Essa acabou de passar no JN e diz que o morador de Brasília é brasileiro mais satisfeito com a qualidade de vida oferecida pela sua cidade. O carioca é nono. Dado curioso, considerando as manchetes dos jornais. Esse é um assunto recorrente no meu dia-a-dia. Eu vivo conversando sobre isso. O meu medo de ter que sair do Rio é maior do que o medo da cidade em si. Para mim, seria frustrante e extramente doloroso ter que me mudar da cidade motivada por nada além da vontade ou necessidade de fugir.

Agora, por exemplo, estou lendo “O Rio é Assim – a crônica de uma cidade (1953-1984)”. Coletânea de crônicas escritas por José Carlos Oliveira e organizadas por Jason Tércio. O livro caiu nas minhas mãos literalmente, presente de um amigo querido. Uma visão apaixonada e apaixonante, refletida em textos escritos pouco depois de o Rio ter deixado de ser capital federal. O mais legal é que essa visão pode ser apaixonada, mas em nenhum momento é deslumbrada ou contemplativa por si só. Muitas vezes ela é dura com a realidade da cidade. Oliveira coloca o dedo fundo nas feridas e chama à responsabilidade a sociedade carioca. É como se a paixão e a objetividade do cronista lhe desse a autoridade para falar das coisas ruins e chamar a atenção de quem quer que fosse para mudar a situação. Pena que os anos passaram, décadas na verdade, e ninguém o ouviu. O livro é praticamente uma profecia. Se ignorarmos as datas assinaladas ao final de cada texto, podemos dizer que eles foram escritos na semana passada.

Como está escrito ali no perfil ao lado, detesto sentir-me impotente. Faço minha parte pela cidade. Coisas absurdas até, como ir de metrô mesmo que seja mais demorado pelo simples fato de ser menos poluente (essa é simples informação que cultivo na minha cabecinha, sem pesquisas mais profundas; se for falsa alguém me avise, sim?) até coisas simples e cotidianas, como enfiar papeizinhos de bala no bolso do jeans a jogá-los no chão. Mas minha impotência revela-se implacável quando vejo tanta anti-cidadania nas ruas e má vontade política nos palácios. Bate uma desesperança sem fim. Segundos os pesquisadores (que fizeram a tal pesquisa que citei lá no começo), as conclusões serão muito úteis para os governos identificarem as reais necessidades dos cidadãos. Ai vem minha Hardy particular, aquela, fruto da desesperança que por vezes me assola, e diz que é mais muito fácil ouvir S.Maia e D.Garotinha dizendo “ah, não estamos assim tão ruim, afinal somos o nono lugar!” do que “vamos fazer um trabalho sério e levar a satisfação do carioca ao primeiro lugar entre os brasileiros!”.

Para não terminar de baixo astral, resta-me dizer que o antídoto para sumir com a Hardy nessas horas é mais que óbvio e, desculpem o exagero pleonástico (se é que existe essa expressão): simplesmente simples demais: Rio de janeiro puro. Na veia. Lagoa, praia, Lapa, Urca, quadra da Mangueira (ou da Portela, ou do Salgueiro…), Corcovado, Santa Tereza, CCBB, MAM, sei lá… Qualquer pedacinho vale como overdose. E meu pacto de total e irrestrita fidelidade é reafirmado.

Coisa de Cinema

O papo é velho, a notícia já deve até ter virado embrulho de peixe, mas que ainda espanta até os mais ferrenhos teóricos das conspirações mundo afora, ah, espanta:

“O embaixador é encarregado pessoalmente pelo seu Presidente de apresentar provas de que um país inimigo realiza operações suspeitas. Patriota e dedicado ao exercício de sua profissão, o embaixador trabalha arduamente no levantamento das informações necessárias à missão. O insucesso no avanço da investigação, o leva a perceber que existe a possibilidade de tais argumentos não passarem de boatos. O tempo se esgota para o embaixador e seu relatório conclui o óbvio: suspeitas não comprováveis. O Presidente revolta-se. Ele acreditava que seria simples obter tais provas. Tinha o Embaixador como um aliado e esperava mesmo que o Embaixador as fornecesse a qualquer preço. Ele não deve ter se esforçado. Que forjasse as provas se fosse necessário. Ele não acreditava no que lia. Não lhe interessava se tais suspeitas eram infundadas. Ele queria aquela guerra. Ele precisava daquela guerra. O embaixador iria descobrir cometeu um erro.

No outro lado da cidade, o telefone toca na mesa da repórter, uma profissional dedicada, cuja reputação lhe imputa a mais alta credibilidade. Experiente na cobertura de assuntos governamentais, ela mal acredita no furo que está prestes a lhe render a reportagem de sua vida: a identidade de uma agente secreta. Espiã. E o melhor, esposa com um embaixador. Seu país é o berço da liberdade. Contando com isso ela não hesita em elaborar a matéria. Uma vez que a identidade da espiã lhe foi dada de bandeja, levantar todo o currículo da agente foi a tarefa mais fácil. A repórter conseguiu o elo que faltava a vários episódios até então misteriosos. Casos onde sempre faltava uma peça. Na manhã em que o país foi inundado com as fotos do casal, embaixador e espião na primeira página, a repórter acordava com a mais pura sensação de missão cumprida. Levantou-se preguiçosamente, ligou a cafeteira e dirigiu-se a porta para admirar sua obra-prima: a primeira-página. Ao abaixar-se, o susto. Ela havia interferido em assuntos de segurança nacional. Policiais a levam imediatamente para prestar esclarecimentos. Deveria informar como obtivera todas aquelas informações. Ética, negou-se veemente. Confiava no seu país. Acreditava na sua profissão. Não fizera nada errado. Não iria trair sua fonte.

A investigação não cessaria enquanto não atingisse seu objetivo e ela permaneceria presa enquanto se negasse a esclarecer o mistério do vazamento das informações. Seu inferno durou 80 dias, quando foi autorizada a revelar sua fonte: o chefe de gabinete da Vice-Presidência. O motivo: vingança…”

Coisa de cinema? Não, não, não!

Bye Rosa

Have a nice trip….

Mais sobre Rosa Parks no post excelente do Luz de Luma.

3 dias

Imaginem a seguinte linha do tempo:
Dia 1 – Uma pessoa do seu círculo de amizades sente-se mal, dirige-se ao médico e este lhe conta que ela tem um caroço no abdômem.
Dia 2 – Ela vai a outro médico e este indica que ela está grávida. Assustada ela não te conta nada por enquanto.
Dia 5 – Ela passa mal, recusa os medicamentos que a família tenta fazê-la tomar e ao chegar ao hospital é encaminhada diretamente à sala de parto por que já está com contrações!


Surreal? Claro que não!

Jogadora de basquete dá à luz três dias após descobrir gravidez
Globo Online
Clic
RBS
EFE

SÃO CAETANO DO SUL – A ala Sílvia Cristina, jogadora de 23 anos do São Caetano e da seleção brasileira de basquete, teve sua vida alterada em uma semana. Há dez dias, ela disputava a final dos Jogos Abertos do Interior pelo São Caetano. Terça-feira passada, descobriu que estava grávida. Quinta-feira, deu à luz prematuramente, aos sete meses de gestação.

Após a decisão dos Jogos Abertos, em que seu time foi campeão, ela não se sentiu bem e procurou um médico. Examinada, foi encontrado o que se acreditava ser um caroço na sua barriga. Assustada, Silvia procurou um médico conhecido de Americana, que identificou o ‘caroço’ como um bebê.

– Nunca imaginei que estivesse grávida. Não tive enjôo nenhum e também não senti desejo. A única coisa diferente é que estava um pouco acima do peso, mas achei que fosse pela comida. Sempre comi muito – disse à Folha de São Paulo a atleta, que foi reserva da seleção brasileira na Olimpíada de Atenas, em 2004.

Como toma anticoncepcionais ininterruptamente, Sílvia já não menstrua há algum tempo. Quando se apresentou à seleção brasileira para disputar amistosos e a Copa América, a ala foi submetida a uma bateria de testes, mas nenhum detectou a gravidez.

– Na terça-feira passada, fui informada de que estava grávida. Quarta, fiz exames que confirmaram a gravidez. E na quinta, tive o bebê. Acordei com dores e meu irmão quis me dar um remédio. Recusei porque ainda não tinha contado nada a ninguém. Quando cheguei ao hospital já estava com contrações – contou ela.

Luis Fernando nasceu prematuro, com 31 cm e pouco mais de 1 kg. O bebê continua internado, fora de perigo mas ainda na incubadora, necessitando de atenção especial. Silvia Cristina revelou que engravidou quando jogava em Portugal, pelo clube Barrero. Segundo a jogadora, o pai da criança, com quem ela não é casada, soube que teve um filho dias após o parto. Silvia afirmou que ele ‘está muito feliz’.

Agora foi

Pergunta: você sabe quando percebe que está realmente envelhecendo? Fácil: quando sua irmã caçula faz 30 anos. Hoje, eu me sinto definitiva e realmente envelhecendo. Minha querida irmãzinha entra hoje para o doce hall das balzacas. Agora somos duas mulheres feitas. Durante minha infância e adolescência, tinha a nítida impressão de que falar de alguém que tinha 30 anos era falar de um adulto nesse sentido: homens e mulheres feitos. Agora vejo a Vivi cuidando com experiência de seu terceiro filho. Minha irmãzinha caçula, vocês sabem o que é isso? A firmeza para segurá-lo, dar banho, identificar seu choro, e sabe-se lá mais o quê. Ao mesmo tempo me lembro de quando andávamos de bicicleta seguindo um “mini-circuito” em forma de 8 ao redor das duas árvores que tínhamos quintal da casa onde nascemos na Vila Rosali. Da piscina nos fundos. Da beliche do nosso quarto. Da sua foto de maria-chiquinha na casinha de bonecas do Santa Maria. Do seu rostinho enfezado quando estava fantasiada de Emília para uma festa da escola. Das bolsas repletas de panelinhas e joguinhos de “chicrinhas e pirezinhos” que espalhávamos no chão da sala. Dos concursos de Miss com nossa bonecas (e das discussões para saber quem ia ficar com a Miss Venezuela, porque essa sempre ganhava). Dos natais na casa da Tia Dirce. Dos carnavais que saíamos com fantasias iguais da casa da Tia Dinéa. De como ela ficava linda de princesa da quadrilha. Da sua fase metaleira. De como ela brilhava dançando nos Camponeses. Das brigas (nossa, quantas brigas), mas incrivelmente de poucas eu me lembro o motivo.

E aqui estamos nós. De duas crianças, uma moreninha de olho verde e uma branquinha de olho azul, a duas mulheres, uma ruiva e uma loira. Com suas próprias experiências. Suas próprias estórias. Distanciadas pelo cotidiano e mais unidas que nunca. Tentando passar aos pequenos um pouquinho da alegria de nossa própria infância. Feliz aniversário, Vi! Seja feliz sempre e conte comigo todos os dias!