100 Anos de Rivalidade – Um Olhar Bear

100 Anos de Rivalidade – Um Olhar Bear

Eu amaria começar esse relato com o glamour do cronista romântico que pode escrever no título “Meu primeiro Bears x Packers foi…”, mas não posso. E o motivo é simples: eu não lembro. Não lembro ao certo quando comecei a curtir o futebol americano com mais afinco. Eu lembro que a assiduidade aumentou entre 2005 e 2006, quando morava sozinha e, vira e mexe, esbarrava com alguma transmissão. Mas não lembro o primeiro jogo que me chamou atenção. Não fui arrebatada pelo esporte: fui cortejada. 

Conclusão: eu posso ter assistido a algum clássico nesse período sem me dar conta, afinal os dois times se encontram religiosamente duas vezes por ano. Naquele tempo, eu não fazia ideia da rivalidade entre as duas equipes. Na verdade, eu sequer tinha noção de que a história do esporte que eu começava a acompanhar estava totalmente atrelada a estas duas palavras: Bears e Packers. Tola. 

Mas eu me lembro que não demorou muito para que eu me deixasse hipnotizar pela onda Orange & Blue. Talvez pela familiaridade de vê-la sempre representada na cultura pop, talvez a memória afetiva com o impactante Chicago Bulls dos anos 90. Mas o fato é que o Chicago Bears me seduziu aos poucos, como quem não quer nada. No início eu achava que era apenas simpatia, que seríamos amigos com benefícios. Imagina se eu gastaria energia torcendo para time gringo? Logo eu! 

Eu imagino que, se foi televisionado aqui na terrinha, o CHI 26 x 0 GB de setembro de 2006 – coincidentemente o jogo de abertura daquela temporada para as duas equipes – possa ter sido um dos responsáveis por me conquistar. Afinal os locutores e comentaristas devem ter pirado ao ver, ou melhor, não ver Brett Favre marcar ponto algum; era algo inédito. Se eu assisti essa partida, provavelmente testemunhei Devin Hester marcar seu primeiro touchdown retornando um punt como atleta profissional. Céus, como odeio minha memória fraca! 

E assim seguiram-se minhas noites de domingo e segunda, vendo o jogo que estivesse passando e torcendo para os Bears quando eles apareciam. As regras iam perdendo o mistério e a fascinação pelo esporte começava a transparecer. Brian Urlacher, Charles Tillmann, Desmond Clark, Alex Brown, Lance Briggs e Devin Hester deixaram de ser nomes aleatórios e eu comecei a perceber que os outros times não importavam tanto. E quando veio a certeza? Nos Playoffs daquela temporada. Acho que mais precisamente no divisional contra o Seattle Seahawks, numa virada que só foi concluída com um field goal (quem diria? mas na época tínhamos Robbie Gould!) e onde precisamos do time como um todo para vencer: ataque, defesa, especialistas e o barulho insuportável da torcida! O Troféu George Halas veio com uma vitória razoavelmente tranquila sobre o New Orleans Saints, do novato Sean Payton e voilà: eu veria as cores azul e laranja no Super Bowl. Sim, é verdade que Peyton Manning colocou os Bears no bolso naquela noite, mas o retorno (mais um) do Devin Hester para touchdown logo no kickoff da partida ninguém tira de mim!

Vince Lombardi e George Halas
no Wringley Field.

Voltando à rivalidade desta noite, depois disso eu sei que não perdi mais nenhum clássico. Entendi a relação entre as duas histórias. Descobri que foi George “Papa Bear” Halas que, em 1922, disse que o nome “American Professional Football Association” não era forte o suficiente para o esporte e o mudou para “National Football League”. Ao conhecer Papa Bear mais a fundo foi inevitável conhecer Vince Lombardi. “Só existe um homem a quem eu abraço quando nos encontramos e a apenas um eu chamo de Coach” teria dito Lombardi sobre Halas. Papa Bear foi incansável na defesa da importância dos Packers para a comunidade de Green Bay. Sem a comunidade – que futuramente financiaria o Lambeau Field – não haveriam os Packers. E sem Packers, não existiriam os Bears. Papa Bear dizia os Packers eram nossos rivais mais “felizes”. Nunca entendi bem o que ele queria dizer com isso, mas o legado da rivalidade passou a ser levado muito a sério, em todos os níveis. Ao mesmo tempo que respeitava Lombardi, ele sequer apertava as mãos de Curly Lambeau. Se não havia controvérsia, Papa Bear não estava feliz.

A competitividade e a combatividade foram inseridas e motivadas sistemicamente na centenária história do Chicago Bears. Naqueles tempos os jogadores tinham seus empregos, mas em semana de jogos contra os Packers, Papa Bear marcava treinos extras e pagava qualquer quantia que os jogadores perdessem pelas faltas ao trabalho. Formava-se um time de Monstros, um time de defesas lendárias. Tudo começava a fazer sentido pra mim.

Bears e Packers são os dois times que mais se enfrentaram nesses cem anos e não existe “cumprir tabela”. Todo jogo significa alguma coisa. Em 1999, por exemplo, vencemos os Packers no dia seguinte ao funeral de Walter Payton ao bloquear, milagrosa e inexplicavelmente, o field goal que lhes daria a vitória quando faltavam 7 segundos para o fim do jogo e acabando, assim, com a sequência de dez derrotas para os rivais. “Acho que Walter Payton me levantou porque eu sei que não pulo tão alto assim” disse Bryan Robinson ao fim da partida.

Bryan Robinson no momento do bloqueio mágico que evitou o field goal da vitória do GB Packers.

Não seria honesto falar do que representa essa rivalidade para mim sem falar das derrotas dolorosas. Os tempos não estavam generosos com o torcedor do Chicago Bears. Virginia McCaskey uma vez disse: “Cresci esperando pela aposentadoria do Don Hutson. Depois passei a esperar pela aposentadoria do Brett Favre e agora eles têm Aaron Rodgers. Isso não acaba!” E isso resume bem a doce agonia de torcer pelos Bears. Enquanto somos defesa, eles são puro ataque. A final da Conferência Nacional em 2010 refletiu bem o drama. O primeiro encontro dos rivais em playoffs desde 1941 e nossa primeira aparição em playoffs desde o Super Bowl XLI. Por três períodos da partida, foi jogo de um time só: os Packers. Olin Kreutz jogando machucado porque não tínhamos quem jogasse de center, Jay Cutler saindo no terceiro quarto com uma lesão no joelho e o placar 14×0 para eles em nossa casa. Pra encurtar a tortura desta cronista, os Bears reagiram, Earl Bennett conseguiu uma recepção de 35 jardas e o placar mostrava GB 21×14 CHI mas Sam Shields interceptou Caleb Hanie faltando segundos para o fim da partida. Fim do sonho. Pulando para 2014, na última partida da temporada regular, precisávamos apenas vencer para voltar aos playoffs. Aaron Rodgers também não deixou e perdemos por 55×14.

Vencemos uma partida de Thanksgiving em 2015 no Lambeau Field apenas para estragar o momenttum de Brett Favre, que entrava naquele dia no Ring of Honor. Em 2017 os “cabeça-de-queijo” finalmente viraram o placar geral da rivalidade. Hoje estão com duas vitórias à frente (97, contra 95 vitórias dos Bears e 6 empates). Chegamos a 2018 abrindo a temporada mais uma vez contra os rivais, no Lambeau Field, como parte das comemorações de 100 dos Green Bay Packers. Roy Robertson-Harris tirou Rodgers do jogo e, no susto, abrimos uma vantagem de 20×0. Uou! Teve pick six de Khalil Mack sobre DeShone Kyzer e eu estava em casa apenas curtindo os ventos de Chicago arrasando Green Bay. Foi quando Rodgers resolveu voltar e nossos ventos viraram brisa. O cara com meia perna conseguiu virar o jogo (23×24) e jogar dúvidas sobre a nossa temporada. Ledo engano. Respondemos vencendo o segundo jogo, em nossa casa, protegendo o Soldier Field e, de quebra, garantindo nosso lugar nos playoffs e eliminando as chances de redenção da temporada perdida: Green Bay estava fora dos playoffs pelo segundo ano consecutivo. 

Aaron Rodgers e Khalil Mack no Lambeau Field, Semana 1 da temporada 2018.

O jogo de hoje não é apenas o kickoff de uma temporada festiva. Ele traz toda essa carga histórica. São 22 títulos e 65 membros do Hall of Fame. Todas as cartas estarão na mesa. Rodgers com aquele olhar de “vou estragar sua festa” e Matt Nagy de viseira respondendo com olhar de “manda ver”. Nesses quase quinze anos acompanhando o Chicago Bears, eu nunca os vi tão prontos, tão motivados, tão monstros. Pela primeira vez Aaron Rodgers teve que estudar um playbook e se preparar de fato para nos enfrentar como um adversário que não pode ser subestimado. Estaremos mais uma vez com as quatro unidades no Soldier Field hoje: ataque, defesa, especialistas e a Nação Bears e todo a sua paixão e gritaria e camisas do Dick Butkus, Walter Payton, Gale Sayers, Mike Ditka, Bryan Urlarcher, Matt Forte, Devin Hester. Chicago pulsa por esse jogo e por essa temporada. E esse jogo começou 100 anos atrás. 

BEAR DOWN!

Obs: Post originalmente publicado no NFL de Bolsa.

Gente que Importa

Gente que Importa

No princípio era o “e se”. E se fosse no Rio? Onde seria, como seria, quem viria? Sim, eu me fazia essas perguntas a cada edição dos Jogos Olímpicos que começava imponente na TV. Por mais que eu tivesse vários eventos prontos na cabeça para responder essas perguntas, se alguém dissesse à Cláudia de 8 anos (chorando com o Misha), para a Cláudia de 12 (emocionada com o Joaquim Cruz) ou mesmo para a Cláudia de 16 (que gritou e vibrou e chorou com a geração de Ouro do Vôlei) que um dia ela efetivamente organizaria uma edição dos jogos, eu duvido muito que ela acreditaria. Confesso que eu mal acreditei quando fui chamada para a entrevista de emprego. E toda a emoção que senti ao fim daquele processo é exatamente proporcional à grandeza da responsabilidade que me esperava: apenas imensa.

E aqui estou. Há 1369 dias numa rotina sem rotina. O grande desafio era fazer o que eu já sabia — importar — dentro do cenário dos jogos, com todos os clientes e stakeholders envolvidos no processo. Tive a sorte de chegar no momento certo, a gerência recém criada e ter tempo para entender a legislação específica, alinhar e desenhar os fluxos, ajudar na busca das parcerias e já começar a tratar o que já tinha que acontecer, lá naquele momento zero. Desde que a Logística destes jogos existe como departamento, já passou de tudo um pouco na minha mão: os primeiros pins colecionáveis, alguns vários brindes, os Macs e iMacs (para o pessoal de design fazer o trabalho incrível que vocês conhecem), os servidores que guardariam os diversos portais por vir (a começar pelo de Voluntários) e outros tantos itens de Tecnologia (incluindo sofisticados equipamentos de videoconferência que poupariam muito dinheiro em passagem aérea). Também vieram os Mascotes (que na época nem nome tinham ainda) e os amigos (aqueles antigos que vieram para o lançamento dos novos, lembram?) e foi incrível demais fazer parte disso e ver o quanto eles são queridos!

A coisa começou a ficar séria quando começaram os Eventos-Testes. O que desenhamos funcionaria? Os órgãos do governo cumpririam o alinhamento? Os fornecedores conseguiriam seguir nossas instruções? E a roda começou a girar. Nossa equipe já estava mais robusta — agora já existia a Logística Internacional — e meu foco já estava se concentrando nos equipamentos esportivos. Vieram os primeiros uniformes, os obstáculos para o Hipismo, barcos de apoio para arbitragem e jornalistas, barcos de competição, o trabalhoso deck e as compridas raias da Lagoa. Tudo muito complicado no começo e já tínhamos uma amostra de que a engrenagem demoraria um bocado ainda para rodar macia. Os embarques começavam a chegar concomitantemente e nossa margem de erro diminuía a cada dia (coisa nada rara no Comércio Exterior mas nos jogos, tudo toma uma dimensão hercúlea). Chegaram itens diversos de arbitragem (desde apitos até moedas de sorteio, equipamentos de vídeo e até binóculos!), todos os itens para as quadras de Tênis de Mesa e Badminton (tudo, de porta-toalhas a mesas!) e os velhos conhecidos equipamentos para o Vôlei (tanto o de quadra quanto o de praia). Trouxemos itens curiosos como as ambulâncias equinas (as primeiras jamais projetadas), um cavalo mecânico, os adesivos numéricos para identificação dos atletas da Maratona Aquática, o sistema de som subaquático para o Nado Sincronizado, os bonecos (dummies, com e sem pernas!) para treinamento de lutas, equipamentos antidoping de raquetes (?!), os portões de partida, cercas infláveis e marcadores de chão para as provas de Ciclismo (BMX e Mountain Bike). Fomos desafiados em todas as instâncias – a começar pelo fornecedor – para importar toda a madeira que se transformaria quase que artesanalmente na incrível pista de Ciclismo de Velocidade (sim, o Velódromo — aquele!!!) e as tintas para pisos e toda gama de pisos em si: para as diversas arenas fechadas, as do Riocentro, os tatames, os antiderrapantes dos esportes aquáticos e até mesmo o gramado sintético do Hóquei (aquele do azul lindo e hipnotizante). Com mais calma vieram os alvos e demais equipamentos do Tiro com Arco, os ringues e toda a gama de equipamentos e uniformes de treinamento e competição do Boxe (minha primeira importação do Paquistão), as anilhas para o Levantamento de Peso, as tabelas do Basquete — queridinho da galera — e inúmeras camas elásticas (não, elas não usadas apenas na Ginástica de Trampolim). Um belo embate comercial tomou forma quando precisamos tocar o embarque de cargas compridas demais (que só cabiam em voos cargueiros) como os trampolins do Salto Ornamental e todas as traves — do Futebol, Handebol, Goalball e as enormidades do Rugby. Demandou um controle absurdo a importação de todos os colchões e pódios e todos, todos, todos os equipamentos das Ginásticas (sim, todos!) e fomos estrangulados nos equipamentos para o Tiro Esportivo, incluindo aqueles pratos-alvos que viram poeira colorida (198 mil pratos) — exceto as armas e munições (ahhhhh!); boa parte dos equipamentos das modalidades diversas do Atletismo e mais de quinhentos itens que fazem parte das especificações do campo de Golfe (achou que era só grama, buraco e bandeirinha, né?). Mais uma vez precisamos respirar em meio ao vendaval para dar a atenção necessária para os caríssimos equipamentos médicos de diagnóstico de primeiríssima geração para a Policlínica da Vila de Atletas e os equipamentos super high-tech da Esgrima. E as bolas? Foram bolas e mais bolas — pra lá de cinquenta mil (yeah!) — para todos os esportes que usam bolas (algo em torno de 800 bolas de basquete e 25 mil bolinhas de tenis de mesa, por exemplo), menos o Futebol (ah, esse é comum demais, né?). Tive também a chance de coordenar e acompanhar a importação dos uniformes de toda a força de trabalho (50 contêineres), das nossas lindas tochas Olímpicas e Paralímpicas, e dos nossos valiosíssimos ingressos. Como se não fosse o bastante, agora, em tempos de jogos, ainda tenho o privilégio de ajudar — ainda que timidamente — na operação de Cavalos. É por isso que sou forçada a repetir: eu amo o meu trabalho!

Hoje é difícil imaginar uma instalação de treinamento ou competição sequer que não tenha um pouquinho ou um montão do meu suor (ou das minhas lágrimas, se você me conhece bem). E se você encarou o textão e chegou até aqui, certamente vai se lembrar de mim a cada competição que comparecer ou mesmo assistir. E vai sorrir por mim, que eu sei. E sorrindo por mim, vai sorrir também por uma equipe fantástica que fez um trabalho maravilhoso e da qual me orgulho muito de fazer parte: gente que importa!

Tem problema demais na nossa cidade? Sim. No nosso país? Demais! Não sou louca de negar nem tão pouco de pedir que os esqueçam. Nada disso. Peço apenas que vejam o que estamos entregando apesar de todos esses problemas! Os Jogos estão apenas começando para o mundo e nosso trabalho está muito longe de terminar, mas eu estou muito, muito feliz de ter chegado até aqui com essas metas atingidas, ajudando a mostrar que é possível sim — a despeito do momento delicadíssimo que vivemos — entregar aquilo que nos comprometemos e que existe sim uma grande chance de que os atletas — nossos clientes mais especiais — atinjam aqui no Rio a sua melhor performance e, assim, sigam nos inspirando a ir mais longe, mais alto e a sermos mais fortes.

Aquela velha opinião

O querido amigo Edu comentou que o TeS ficou profissa com essa carinha nova. Incorporando este espírito de nova fase do Tudo em Simas Corporation Limitada Sociedade Anônima, muito nos orgulha informar que nossos colunistas seguem espalhando-se internet afora!

Uma das principais paixões desta corporação, o Flamengo é nossa pauta no Bola Pra Quem Sabe, em sua novíssima versão 2012. No Bola o fá do futebol encontra no mínimo dois colunistas por clube carioca com posts diários, futebol internacional, negócios esportivos, vídeos de jogos históricos e gols atualizados.

A grande novidade da temporada é que agora também somos experts em Futebol Americano e nossos pitacos estão na coluna Boloval do conceituadíssimo Donas da Bola, plataforma multiesportiva o ponto de vista, o charme e a malemolência da mulher brasileira.

Recomendamos e agradecemos a preferência.

Idiossincrasias – Ai meu Flamengo…

E o Flamengo perde Zico. Mais uma vez. Eu queria ter a clareza e a objetividade necessárias para escrever sobre isso. Mas só tenho decepção. Rubro-negros ou não, todos falam no possível rebaixamento do Flamengo no Brasileirão (meu coração não me engana: é possível, mas não é provável). Mas hoje, sofremos um rebaixamento moral. Deixamos um dos maiores ídolos da nossa história à mercê de politiqueiros de quinta.
Zico provou que estava certo ao não querer se reaproximar do futebol brasileiro. Confiou que com Patrícia Amorim isso seria diferente, mas jogou a toalha em 4 meses. Culpá-lo? Nunca! No Japão ele teve total liberdade e privacidade para trabalhar e praticamente inventou o futebol japonês. Aqui, sua terra natal, não conseguiu respirar sem ser achincalhado com cobranças imediatistas e denúncias que são sempre acompanhadas de muito barulho por terem pouca veracidade.
Como pudemos permitir que algo assim acontecesse? E como ainda podemos deixar essas pessoas, cujos interesses pessoais são maiores do que o nosso amor pelo Clube, mandem e desmandem no Flamengo? O que podemos fazer para mudar isso? Não consigo pensar em nada.
O Flamengo sobreviverá à mais uma despedida do Galinho? Claro! Viveu anos sem ele e viverá outros tantos. Mas vai ser muito difícil esconder a cicatriz que vai sobrar dessa crueldade com nosso ídolo maior. Estou triste, frustrada e envergonhada. E a vida segue. Me resta confiar que vamos ao menos ser capazes de tirar alguma lição disso tudo.
♪ Flamengo SEMPRE eu hei de ser! ♫  

Presente de Aniversário

O Aniversário era do Clube de Regatas do Flamengo, mas quem ganhou o presente da Olympikus, foi a Nação. Ontem, aniversário de 114 do Flamengo, foi lançado o Totó do Mengão. É um game que pode ser jogado online ou ser baixado por qualquer rubro-negro que curta o bom e velho futebol de mesa. Na festa de lançamento, esta humilde rubro-negra e mais outros 29 blogueiros torcedores, fomos convidados a fazer 1000 gols para que o jogo fosse liberado para a Nação. Isso aconteceu em mais ou menos 2 horas da mais divertida jogatina. O jogo é muito fácil de aprender: é só usar as setas para direcionar e chutar e a barra de espaços para “roletar”. A interface é fantástica: podemos escolher entre os 17 jogadores do atual elenco, entre os 3 uniformes oficiais e entre as opções táticas disponíveis. Também é possível ver os replays dos gols com os avatares do jogadores em dribles e jogadas fantásticas, incluindo um gol olímpico do Pet. O capricho com que o game foi feito é comprovado nesses e outros detalhes, como a narração de Silvio Luiz (“Olho no lance!”) e a presença de Uruba & Urubinha e das organizadas mais famosas do Mengão – Raça, Jovem, Urubuzada e Fla-Manguaça – com suas faixas, seus cantos e suas festas com bolas vermelhas e pretas no Maraca – lugar onde se passa o game. A festa oferecida pela Olympikus contou também com a presença de jogadores da equipe FlaMaster, Aílton, Gilmar Popoca, Carlos Henrique e Manguito, que conversaram com os blogueiros e se divertiram tentando ganhar uma partida. A propósito, eu ganhei uma (4 x 3).

Saudações Rubro-Negras!

O meu mais triste 1º de maio

Não era a época da altíssima conectividade tal como vemos hoje. Meu 1º de maio de 1994 teve uma manhã normal, com reunião do Clube de Castores de São João de Meriti de 9 as 11 (único compromisso que me fazia perder a transmissão de uma corrida de Fórmula 1) e volta pra casa para o almoço de domingo com a família. Não tinha internet, celular, twitter, nada disso. Velhos tempos.

Assim, ao chegar em casa, meu pai me chamou com formalidade e me deu a notícia do acidente com Ayrton Senna. Seu tom era grave e sério como se estivesse se referindo a alguém da família. Eu olhava para ele e para a TV sem entender direito o que acontecia. Não podia ser verdade, não o Senna. E o choro que começou naquele instante só pararia dias depois – junto com o resto do país.

Não é novidade dizer que o Brasil parava para ver Ayrton Senna passar. O tricampeão tornou-se mais uma inspiração esportiva adotada pelo povo (e reforçado pela mídia) para resgatar em seus corações “o orgulho de ser brasileiro”. A “briga” eterna entre os fãs de Senna e Piquet rendia discussões quase tão acaloradas quanto aquelas que aconteciam entre torcedores de Flamengo e Vasco. São inúmeros os momentos inesquecíveis de Senna na memória do brasileiro. Não à toa ele virou o “o rei da rua”, “o rei da chuva”, “o ‘Rei’ de Mônaco”. Ele tinha o carisma que nenhum outro piloto conseguiu demonstrar desde então. O Brasil ensaiou adotar herdeiros deste carisma em outras categorias esportivas e quase conseguiu com Gustavo Kuerten. Digo quase porque no fundo não era a mesma coisa. Não que os novos ídolos não sejam merecedores, mas arrisco dizer que enquanto tivermos as corridas de Ayrton Senna tão vivas em nossa memória, nossos corações estarão subconscientemente fechados. Talvez daqui a mais uma ou duas gerações estejamos prontos para um novo ídolo.

Touchdown!!!!!

Mesmo quem não leu o perfil, ali ao lado, deve ter reparado que, como vira e mexe eu comento alguma coisa sobre football, é porque devo gostar da tal bola oval sendo jogada com as mãos pelos norte-americanos. Pois é. E hoje foi dia de nada mais, nada menos que o Super Bowl XLIII! Arizona Cardinals contra Pittsburgh Steelers em Tampa Bay City, na Flórida. Meu primeiro Super Bowl ao vivo foi o de número 41, há dois anos, quando torci ardentemente para o Chicago Bears que perdeu para o Indianápolis Colts de Peyton Manning e Cia. Hoje enxergo melhor as jogadas e curto muito mais o jogo. E que jogo, senhoras e senhores! O Metalúrgicos de Pittsburgh eram os claros favoritos, não só pela campanha durante a temporada de 2008 mas também pela tradição do clube que jogou sua sétima final buscando o hexacampeonato.

No primeiro quarto do jogo parecia que tal favoritismo estava confirmado. Mas o que vale pro futebol daqui, também vale pro football de lá: jogo se ganha dentro das quatro linhas e o segundo quarto foi dominado pelos valentes Cardeais. A segundos do fim do segundo quarto do jogo veio uma das jogadas mais sensacionais que eu já assisti: o Cardinals estava a uma jarda do touchdown e sofreu interceptação do digníssimo James Harisson que retornou 100 jardas (pouco mais de 90 m) para marcar para o Steelers. O cara – grande pra caramba e que não é atacante – roubou a bola a menos de 30 cm da própria end zone e correu o campo inteiro para pontuar. Segundo a ESPN, o maior retorno de interceptação para touchdown de toda a história do Superbowl. Fim do primeiro tempo: Steelers 17 x 7 Cardinals.

O show do intervalo é praticamente incomentável, se é que existe essa palavra. Com 24 minutos de duração (o intervalo de um jogo da temporada regular dura apenas 12 minutos), assistimos a um impecável show de organização. Podemos falar o que quisermos dos americanos, mas eles entendem de entretenimento. O palco é montado e desmontado durante o intervalo e o show do artista dura em média 12 minutos. Já passaram por ali Elton John, Paul McCartney, Rolling Sotnes, Prince e outros monstros sagrados da música mundial. Esse ano foi a vez de “The Boss” Bruce Springsteen e sua E Street Band. Foram 4 musiquinhas, incluindo Working in a Dream e fechando com Glory Days perfeitamente sincronizados com fogos de articício de arrepiar.

Antes do jogo eu achava que ia dormir no intervalo, perto de 23:30… Ledo engano.

Sobre o segundo tempo eu não vou conseguir escrever a altura. Foram duas viradas de jogo, a menos de 3 minutos do final da partida. O Cardinals virou para 23 x 20, com recepção e corrida de Larry Fitzgerald – novo recordista de TDs na pós temporada – e o Steelers marcou o touchdown do título menos de 2 minutos depois, com uma jogada fantástica do “Big” Ben Roethlisberger para um preciso Santorio Holmes (eleito o MVP da partida), e fechando em 27 x 23 seu 6o. título em um Super Bowl. O que me impressiona é como um jogo pode ser tão emocionante considerando a frieza com que os quarterbacks têm que jogar até o último segundo. Muitos passes certeiros e recepções perfeitas. Show de jogo, torcida, transmissão, tudo. O triste é ter que esperar até setembro para a nova temporada…

PS: Sobre os comerciais mais caros do mundo, aos quais eu me referi antes, eles já estão disponíveis no site da NFL, aqui.

Updates às 23:00 :
– Discurso do quarterback Kurt Warner do Cardinals sobre a derrota: “Estou orgulhoso do nosso time. Talvez seja por isso que não me sinto tão mal pela derrota. Esses caras superaram as expectativas de todos e foi muito divertido jogar ao lado deles. Tiro meu chapéu para os Steelers. Eles fizeram jogadas sensacionais… Eles venceram. Não fomos nós que perdemos.” Quando eu crescer quero ser superior assim que nem ele!
– Galeria de fotos, cortesia da Globo.com, aqui.
– Já asssiti aos comerciais. Meus preferidos são os da Pepsi (alguns), Doritos (quase todos), Pedigree, Monster.com, Audi (com o Jason Statham), Careerbuild.com, Cars.com e o da Sobe com os jogadores. Tenho que reconhecer que o da – errr – Bridgestone, com o casal Sr. e Sra. Batata, também é muito bom. Ah! E também tem o trailer de “Monters vs Aliens” que é hilário e tem 1:30min (lembrem-se: 30s = USD 3 MI). Vocês acham que são muitos os preferidos? No site na verdade são quase 80 comerciais com os filmes deste e do SB XLII. Mas pra mim deu empate na escolha do number 1: esse e esse. Que irônico…